Conheça a primeira página do Negócios
A primeira página do Negócios, o acesso
ao ePaper
15:36 | Conjuntura
O BBVA baixou em duas décimas as previsões de crescimento da economia portuguesa no primeiro trimestre do ano devido ao desempenho negativo da produção industrial durante o mês de Fevereiro.
15:43 | Indústria
Portugueses, gregos e holandeses – são três as propostas apresentadas ao concurso público internacional para a venda do navio Atlântida, uma das quais é assinada por uma empresa de Mário Ferreira, dono da Douro Azul, sabe o Negócios. A proposta mais alta é de cerca de 13 milhões de euros, para um “ferryboat” – construído pelos estaleiros de Viana e rejeitado pelos Açores – cujos prejuízos até ao momento ultrapassam os 70 milhões de euros.
13:45 | Impostos
Banco de Portugal sublinha “aumento muito significativo” de impostos directos que renderam até mais que o esperado.
Ideia foi transmitida aos parceiros sociais pelos técnicos da troika, que hoje estiveram numa reunião de concertação social. Resultados deverão ser conhecidos dentro de seis meses.
Primeiro-ministro quis combater mitos que envolvem período de resgate português. Um deles é o de que seria possível não cortar salários e pensões. Um aspecto que contrariou depois de Cavaco Silva ter defendido que cortes sobre Função Pública e sistema de pensões foram "excessivos". Para lutar contra outro mito, atacou o PEC IV de Sócrates.
13:54 | Conjuntura
Apesar de acreditarem no crescimento da economia nacional os portugueses mantêm-se cautelosos quanto às expectativas económicas futuras.
José Figueiredo Almaça, presidente do Instituto de Seguros de Portugal (ISP), anunciou, esta quarta-feira no Parlamento, que foram resgatados este ano cerca de dois milhões de euros de PPR para pagar o crédito da casa. Números que considera "irrelevantes".
José Figueiredo Almaça, presidente do Instituto de Seguros de Portugal (ISP), garantiu que foram consultadas as autoridades de supervisão com as quais o grupo chinês tem relação e que também as suas contas foram analisadas, não tendo sido encontrado nada que “desabone” em relação à sua solidez financeira.
14:44 | Bolsa
Principais índices bolsistas dos Estados Unidos iniciaram a sessão com perdas ligeiras, numa altura em que os investidores estão a incorporar os resultados de várias empresas.
13:12 | Economia
Atenas atingiu um excedente primário de 1,5 mil milhões de euros em 2013, que era uma contrapartida dos parceiros internacionais para aliviarem as condições de pagamento dos empréstimos. A Grécia poderá, assim, conseguir juros mais baixos e um alargamento das maturidades.
11:55 | Bolsa
O PSI-20 inverteu a tendência positiva que registava a meio da sessão devido às quedas do sector bancário. BPI e BCP perdem mais de 1% e BES cai 0,81%.
O banco de fomento terá disponíveis 1.500 milhões de euros de fundos estruturais aos quais se juntarão 800 milhões já garantidos pelo banco de fomento alemão, KFW. Já este mês entrará no Banco de Portugal o pedido de licença bancária para esta instituição.
13:37 | Resultados
A retalhista irlandesa gerou receitas de 2.278 milhões de libras no primeiro semestre fiscal que fechou a 1 de Março. Portugal teve um aumento na facturação de “dois dígitos”.
Também o encargo mensal das famílias com a casa subiu, pela primeira vez em dez meses, para os 259 euros, de acordo com os dados divulgados pelo INE.
Em artigo de opinião publicado no Wall Street Journal, o secretário de Estado dos Assuntos Europeus apela à finalização de um acordo entre a UE e os Estados Unidos na área energética. Se houver boa vontade, esse acordo pode ser fechado em “meses”, escreve.
13:26 | Zona Euro
A redução do défice orçamental será mais lenta do que inicialmente previsto pelo Executivo francês. As estimativas incluídas no documento apontam para um défice de 3,8% do PIB, em 2014, e de 3% no próximo ano. As previsões económicas do Governo são, no entanto, consideradas demasiado optimistas.
12:18 | Europa
O relatório da agência financeira refere ainda que o “Velho Continente” tem poucas alternativas para encontrar fornecedores para os países mais afectados.
12:10 | Europa
A previsão que o Governo de Madrid irá enviar para Bruxelas no final deste mês contempla um crescimento médio da economia de 1,5% em 2014 e 2015.
Publireportagem
Ser o Primeiro significa reinventar a forma de ver Televisão. Agora, e pela primeira vez na História, já é possível ter uma experiência de visualização com um formato natural, totalmente adaptado à vista humana. Mais do que uma Evolução, sujeitar a forma do equipamento ao sonho humano significa uma Revolução
PUBLICIDADE
Helena Garrido, directora do Negócios, comenta o regresso aos mercados de Portugal. É um passo muito importante, mas não nos liberta do passado, afirma Helena Garrido, realçando, no entanto, tratar-se de um dia simbólico para Portugal. Veja o vídeo com o comentário.
Défice de 4,9% do PIB é o melhor entre os países alvos de programas de ajustamento, mas ainda assim o sétimo maior na região.
Conheça os 10 riscos apontados pelo FMI no relatório sobre a 11ª avaliação do programa de ajustamento português.
09:00 | Economia
Nouriel Roubini considera que os "riscos económicos, financeiros e geopolíticos mundiais estão a mudar". Se alguns têm agora uma menor probabilidade de acontecer, outros tornaram-se mais prováveis e importantes. Conheça os seis (novos) riscos identificados pelo economista.
13:05 | Indústria
O ministro da Economia já calça “made in” Portugal. Depois da confissão polémica de há pouco mais de um mês – calçava sapatos estrangeiros quando visitava “stands” nacionais na maior feira mundial do sector, em Milão -, Pires de Lima voltou a elogiou, esta quarta-feira, a indústria portuguesa de calçado, e rematou: “Até eu já tenho sapatos portugueses!”
22 de Abril | Iniciativas Negócios
O 25 de Abril faz 40 anos na sexta-feira. Na edição do Negócios desta quarta-feira, oferecida aos leitores, veja o que mudou na economia portuguesa desde o início da democracia até aos dias de hoje.
Em 1973, Portugal usava 34% da sua despesa total para financiar o esforço de guerra. Hoje, 40% dos gastos servem para pagar prestações sociais, como pensões. Há 40 anos, Portugal reservava uma fatia maior da sua despesa para investir em Educação do que actualmente.
00:03 | Europa
O investigador do Instituto de Ciências Sociais explica que o que domina a evolução da economia portuguesa são os ciclos internacionais. E esse é um dos motivos para não acreditar na estratégia da troika.
Não demorou muitos dias até o novo poder estabelecido pelo 25 de Abril de 1974 chamar os banqueiros para falar do desenvolvimento do país.
00:01 | Comércio
Belmiro de Azevedo e Alexandre Soares dos Santos são dois dos homens mais ricos de Portugal. As suas fortunas foram amealhadas já no pós-25 de Abril.
11:37 | Exploradores
Soluções de "software" educativo, impressoras 3D e novas tecnologias que permitem fazer fisioterapia em casa, são produtos que as start-ups da região estão a colocar no mercado
11:31 | Exploradores
Para quem vai financiar o projecto de uma start-up, às vezes é preciso mais do que uma ideia. "Como qualquer capital de risco, não investimos em ideias, mas em negócios", explicou Rui Rodrigues, da Caixa Capital.
Editorial
  • Helena Garrido
    Muitos dos textos que hoje podemos ler livremente não estariam publicados, vítimas do lápis azul. No Negócios como noutros jornais. O valor da liberdade tem de ser sistematicamente relembrado. Porque só se valoriza aquilo que conhecemos como perda. A paz depois da guerra, a liberdade depois da ditadura.
  • Helena Garrido
    Muito menos compras, muito mais poupança. Muito menos lucros em sectores como os da electricidade, muito mais liberdade de despedir e de reduzir salários. Em jeito de alerta para o futuro, é a receita do FMI para Portugal garantir a prosperidade sem caminhar para um novo pedido de ajuda externa, agora que está a sair da terceira intervenção em quatro décadas.
  • André Veríssimo
    A pressão externa na atmosfera em que se movimenta o Governo nunca foi tão baixa. Seja a pressão da troika, que está de partida. Seja a dos mercados, onde as taxas de juro estão em mínimos históricos. Talvez esteja nesta descompressão o motivo para os assomos de arrogância e o desnorte a que se tem assistido nas últimas semanas.
  • Helena Garrido
    Sim, a austeridade não pode ser um modo de vida. Nem é estratégia económica. A austeridade é o pior dos remédios que, levado ao extremo, mata o doente. Mas a gestão eleitoral da austeridade e da prosperidade pode ser o mais terrível de todos os mundos. Afirmar que se consegue reduzir o défice público em 2015 com poupanças em papel ou software aberto é dizer que entramos em campanha eleitoral. Acabou a política de redução activa do défice público. É mau? Desta vez talvez não.

09:55 | Research
O Caixa Banco de Investimento antecipa que o BPI registou um prejuízo de 92,7 milhões de euros no primeiro trimestre de 2014, devido a uma menos-valia de 102 milhões com a venda de metade da dívida que detinha em carteira de Portugal e de Itália.
06:00 | Energia
Grupo reforça a posição no mercado livre para 45,7% e recupera a liderança no fornecimento de clientes industriais.
09:06 | Economia
Enquanto o sector privado francês perdeu o "momentum" durante o mês de Abril, o alemão melhorou e superou as previsões do mercado.
22 de Abril | Economia
As remunerações médias declaradas à Segurança Social subiram 2,3% em 2013, rompendo com ligeira quebra de 2012. Governo garante que ajustamento no privado está feito.
11:34 | Exploradores
A Rui Costa e Sousa & Irmão é uma "média grande empresa", tem 400 trabalhadores e vende a maioria do bacalhau nos mercados externos.
10:22 | LEX
Em Inglaterra as prescrições são raríssimas. Na Alemanha, iniciado o processo, este vai até ao fim. Em Espanha, a prescrição é interrompida pela abertura de um processo
22 de Abril | Dividendos
Saiba os dias em as cotadas portuguesas pagam dividendos, as sessões em que descontam a remuneração e o último dia em que negoceiam em bolsa com o dividendo incorporado.
economistas Em colaboração com Project Syndicate
  • Os riscos económicos, financeiros e geopolíticos mundiais estão a mudar. Alguns riscos têm agora uma menor probabilidade de acontecer – mesmo que não estejam totalmente extintos. Outros tornaram-se mais prováveis e importantes.
  • Ao longo dos últimos cinquenta anos, a Coreia do Sul tem assistido a um progresso económico considerável, com o rendimento per capita a aumentar de apenas 80 dólares, em 1960, para mais de 22 mil dólares, no ano passado.
  • Os efeitos das alterações climáticas que já aconteceram estão a espalhar-se significativamente e a afectar a agricultura, saúde humana, ecossistemas terrestres e marítimos, recursos hídricos e algumas indústrias. Os efeitos podem ser vistos dos trópicos aos pólos, das pequenas ilhas aos grandes continentes.
  • Com o atenuar da crise da dívida na Europa, outro desastre económico parece estar a aproximar-se – o preço da energia. Desde o início dos anos 2000, os preços da electricidade para as indústrias europeias quase duplicaram, e as empresas pagam o dobro de gás em relação às congéneres norte-americanas. Estarão as ambiciosas políticas climáticas – que procuram aumentar os custos das "más" fontes de energia – a destruir a base industrial da região?
  • "Mas que bela caracterização sobre o estado do capitalismo do século XX", exclamou o "motivador profissional" Jordan Belfort enquanto olhava para o seu passado de fraude, sexo e drogas. Como líder da empresa de corretagem Stratton Oakmont, ele espoliou investidores de centenas de milhões de dólares no início dos anos 90. Vi o filme "O Lobo de Wall Street" de Martin Scorsese e fiquei intrigado o suficiente para ler a biografia de Belfort, na qual se baseia o argumento do filme. Aprendi muito.
12:20 | Resultados
A produtora mudou para as mãos da Lenovo no início do ano, mas os resultados dos primeiros três meses correspondem ainda a dispositivos lançados pela Google.
09:36 | Energia
O Governo deverá avançar com um preço de referência para o gás de botija, notícia a TSF. Esta alteração deverá implicar a descida do preço, acrescenta o Correio da Manhã.
22 de Abril | Política
Chefe de Estado defende novamente que pensionistas têm de ser compensados pelos sacrifícios dos últimos anos e não carregados com novos encargos. O Presidente da República classificou os sacrifícios exigidos de "talvez excessivos".
pub
pub

23
Quarta-feira
Abril 2014
    CEO Forum 2014

    negócios opinião