Ajuda Externa Portugal terá juros mais baixos e prazos mais longos nos empréstimos europeus

Portugal terá juros mais baixos e prazos mais longos nos empréstimos europeus

Ministro das Finanças diz que Portugal beneficiará das condições oferecidas à Grécia nos empréstimos assegurados pelos fundos europeus de resgate.
Portugal terá juros mais baixos e prazos mais longos nos empréstimos europeus
Eva Gaspar 27 de novembro de 2012 às 13:58

Vítor Gaspar confirmou no Parlamento que as decisões tomadas esta madrugada, em Bruxelas,  no sentido de reduzir os níveis de endividamento da Grécia, serão também aplicadas a Portugal e à Irlanda ao abrigo do “princípio da igualdade de tratamento” que ficara consagrado nas conclusões da cimeira europeia de 21 Julho de 2011.

O ministro das Finanças precisou que Portugal e Irlanda beneficiarão de idêntico tratamento no que respeita às condições mais favoráveis oferecidas pelos empréstimos assegurados pelos fundos europeus de resgate – o Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF), que será progressivamente absorvido pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), de natureza permanente.

Vítor Gaspar congratulou-se com as decisões do Eurogrupo, considerando que limitam os riscos de instabilidade para a Grécia e para toda a Zona Euro, ajudando a criar condições para que as autoridades gregas, que têm sido confrontadas com decisões “muito difíceis”, possam quebrar a tradição de fraca capacidade de execução do seu programa.

Após três reuniões num só mês, a Zona Euro e o FMI chegaram esta madrugada a um entendimento com a Grécia que pressupõe um novo alívio das condições financeiras (designadamente juros e prazos) associados aos já dois empréstimos externos concedidos ao país. Em simultâneo, ficou  acordado que os lucros potenciais do BCE com a compra de dívida grega (adquirida no mercado secundário, muito desvalorizada) serão transferidos para a Grécia - procedimento que pode eventualmente vir a beneficiar igualmente Portugal. 

Aberta ficou ainda a porta a um novo empréstimo europeu à Grécia destinado à recompra de dívida pública grega que, estando a ser transaccionada a valores muito inferiores aos de emissão no mercado secundário, resultaria num abatimento do seu “stock”.




A sua opinião40
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado abelavida 27.11.2012

Muito bem. è nos bastidores que se trabalha. Andar a mandar palpites para o ar só prejudica as negociações.

comentários mais recentes
Pois Pois 28.11.2012

A dúvida é saber se isto foi conseguido por ser bom aluno... ou por ser da mesma turma do mau aluno...

Pedro Freitas 27.11.2012

Será que agora já viram como se leva a água ao moinho ? Se fosse o PS , teria certamente feito muito barulho e seriamos vistos como os outros Gregos! Assim apenas vamos ter tratamento igual. Negociar é uma arte !!!! mas apenas para alguns . Deixem este Governo trabalhar, eles vão endireitar isto. Por muito que custe aos Socialistas !

Anónimo 27.11.2012

merecem ,lutaram por isso

jdiogenes 27.11.2012

Cá está! Agora já perceberam como é que se consegue juros mais baixos e prazos mais dilatados? Não era na praça pública como o PS queria, os outoros, BE, PCP, não contam para o totobola e muito menos para o euro(milhões). Mas não ficar satisfeitos. Aliás nunca vão!

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub