Autarquias Órbita ganhou o concurso de bicicletas partilhadas em Lisboa

Órbita ganhou o concurso de bicicletas partilhadas em Lisboa

A empresa de Águeda ganhou o concurso para o sistema de bicicletas partilhadas em Lisboa por 23 milhões de euros. O contrato é válido por oito anos e o sistema deve estar a funcionar na Primavera de 2017.
Órbita ganhou o concurso de bicicletas partilhadas em Lisboa
Bloomberg

A Órbita ganhou o concurso público para o sistema de bicicletas partilhadas na cidade de Lisboa, confirmou o Negócios junto do presidente da empresa, Jorge Santiago. A adjudicação foi feita na passada quarta-feira à firma de Águeda, que fez uma proposta de 23 milhões de euros. A rede de bicicletas partilhadas vai ter 1.410 bicicletas e 140 estações (docas). Dois terços das bicicletas vão ser eléctricas, para ajudar a combater a inclinação da cidade.

O concurso, lançado em Março pela segunda vez, tinha um valor máximo de 28,9 milhões de euros.

 

"A partir da semana que vem vamos começar a preparar tudo para colocar os equipamentos no terreno", disse Jorge Santiago ao Negócios. "A nossa proposta é de 23 milhões de euros por oito anos. Implica todo o investimento, as 140 docas, as bicicletas e a renovação das bicicletas, porque este tipo de utilização implica um desgaste muito grande, pelo que elas terão de ser substituídas durante o contrato", detalhou. Cada bicicleta terá, portanto, um custo de 16.312 euros.

 

E porquê mais bicicletas eléctricas do que convencionais? "É muito bonito andar de bicicleta junto ao rio mas se as pessoas quiserem subir até ao Marquês de Pombal e não tiverem preparação vão ter dificuldades. E o que se pretende é que as pessoas adiram à bicicleta e a este sistema partilhado", explicou. "As bicicletas eléctricas terão uma autonomia de mais de 30 quilómetros, cinco modos de utilização do motor e carregam quando estão estacionadas na doca. As convencionais têm sete velocidades", acrescentou.

As bicicletas estarão equipadas com cesto na parte da frente e com sistemas de localização. As eléctricas pesam 24 quilos e as convencionais cerca de 18/19 quilos.

 

Agora, explicou Jorge Santiago ao Negócios, o contrato "tem ainda de passar pelo Tribunal de Contas". A Órbita já fornece bicicletas para os sistemas partilhados de Vila do Conde, Oliveira de Azeméis, Ovar, Estarreja ou Viseu, e também em Paris, Valência, Málaga ou Bilbau, adiantou Jorge Santiago. A Órbita também fornece as bicicletas eléctricas utilizadas pelos carteiros dos CTT.

Segundo Jorge Santiago, apresentaram-se sete candidaturas a concurso, mas só três chegaram à fase final. Várias candidaturas apresentaram recursos da decisão do júri, acrescentou.

 

Pedalar em Lisboa vai custar 36 euros por ano

 

O Negócios tentou obter uma reacção da EMEL, que é responsável pelo processo, mas ainda não foi possível obter um comentário. João Dias, administrador da empresa, disse ao Negócios em Fevereiro que se prevê que o sistema esteja totalmente operacional da Primavera de 2017.

 

O plano de negócios do Sistema Público de Bicicletas Partilhadas de Lisboa, elaborado pela EMEL, prevê que o bilhete diário para pedalar nas ruas de Lisboa custe 10 euros e o passe anual fique por 36 euros. Os utilizadores deverão poder gerir o sistema através de uma aplicação móvel, antevê Jorge Santiago.

 

A Câmara Municipal de Lisboa e a EMEL são responsáveis por planear a rede, mas o fornecimento de bicicletas e estações, assim como a operação, manutenção e gestão logística, ficam a cargo da Órbita. Já a gestão de clientes, exploração de receitas tarifárias e do espaço publicitário, assim como a promoção e divulgação, ficam nas mãos da EMEL.

 

A próxima fase do processo deve ser, precisamente, o lançamento da consulta pública para a publicidade no sistema.




pub