Conjuntura Costa defende que Portugal tem de continuar a "pedalar" para crescer

Costa defende que Portugal tem de continuar a "pedalar" para crescer

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu hoje que Portugal tem de continuar a "pedalar" para continuar a crescer, durante a cerimónia de apresentação do Pacto Territorial para o Emprego e Desenvolvimento.
Costa defende que Portugal tem de continuar a "pedalar" para crescer
Reuters
Lusa 21 de abril de 2017 às 13:39
"A economia é como as bicicletas ou se pedala ou para. Por isso, temos de continuar a pedalar para poder continuar a crescer e a poder continuar a criar emprego. E o futuro da nossa economia é muito claro: precisamos de melhorar a competitividade da nossa economia e das nossas empresas para ter mais e melhor emprego", sustentou o chefe do Governo.

António Costa, que falava na Marinha Grande, considerou a assinatura do PTE-D 2030 - Pacto Territorial para o Emprego e Desenvolvimento da Marinha Grande "exemplar daquilo que o país precisa para o seu desenvolvimento".

O líder do executivo recordou as "boas indicações" que têm surgido sobre a evolução da economia portuguesa.

"o Instituto do Emprego divulgou que tivemos, no mês passado, a maior baixa de pessoas inscritas no centro de emprego, que alguma vez tínhamos tido", lembrou.

Segundo o governante, a "história da Marinha Grande é exemplar" do desenvolvimento económico: "de uma situação de rutura e crise, temos hoje um dos centros mais dinâmicos da indústria nacional, com uma taxa de desemprego que é quase metade da taxa de desemprego do país e que é um dos principais centros de exportação internacional".

António Costa acrescentou que este concelho do distrito de Leiria conseguiu emergir da crise do setor do vidro.

"Em vez de apostar em fazer mais do mesmo, apostou em fazer diferente e em fazer melhor. Hoje nos moldes, nos plásticos e também no vidro, a Marinha Grande é uma referência e um dos grandes dinamizadores da nossa economia", considerou.

Essa trajectória foi feita, segundo António Costa, com a aposta na inovação. "Para haver inovação é preciso haver investimento na qualificação, transferência do conhecimento para o tecido empresarial e um tecido empresarial que seja capaz de transformar esse conhecimento em valor."

Investir na qualificação é outro dos factores considerados pelo primeiro-ministro como essencial, defendendo o investimento "nas novas gerações".

"Temos de assegurar a universalidade do acesso ao pré-escolar desde os três anos, porque sabemos que crianças que frequentam o pré-escolar terão melhor sucesso educativo", disse.

"Não podemos ter gerações como a minha, onde a maioria não completou o ensino secundário. Essa é a grande diferença entre nós e os países mais desenvolvidos da Europa. É o maior défice estrutural que o país tem e que temos de travar", salientou António Costa, ao defender a valorização dos "conteúdos" e o melhoramento "do ensino".

António Costa considerou ainda que é "fundamental investir no ensino superior, quer na transmissão do conhecimento, quer na investigação", por isso é "que é fundamental que nesta parceria estejam grande parte daqueles que são centros de produção de conhecimento".

"A contribuição da Marinha Grande para a economia do país é da maior importância pelo efeito que tem de arrastamento e de fixação de um conjunto de actividades que se fixam em Portugal porque querem estar cada vez mais próximos dos moldes", acrescentou.



A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 21.04.2017

Quando chegares ao beco sem saída não batas com as trombas na parede!

comentários mais recentes
Anónimo 23.04.2017

O anónimo sindicalizado ou sindicalista que passa aqui a vida a comentar com base no ódio de estimação ao seu trauma mental chamado Passos Coelho, é um bandido inútil militante, frustrado da vida desde que a troika o começou a contrariar no seu ridículo e pouco honrado modo de vida. E quando Dijsselbloem o caracterizou detalhadamente numa entrevista, pifou de vez, ainda que o holandês nem sequer tenha chegado a falar de cadastrados ou doença mental.

Juca 21.04.2017

Temos todos que pedalar. Os sindicalistas principalmente, pois são muitos a viver à custa dos que trabalham.

Money Maker 21.04.2017

Nós pedalamos e ele anda de Mercedes.

Jose 21.04.2017

Como eu gostava de o ver a pedalar em direção à India.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub