Conjuntura Dívida pública afunda 3,6 mil milhões de euros em Junho

Dívida pública afunda 3,6 mil milhões de euros em Junho

Após ter atingido um novo máximo histórico, a dívida pública portuguesa baixou significativamente em Junho. Em causa está uma amortização de 6,6 mil milhões de euros.
Tiago Varzim 01 de agosto de 2018 às 11:11
"Em Junho de 2018, a dívida pública situou-se em 246,7 mil milhões de euros, reduzindo 3,6 mil milhões de euros relativamente ao final de Maio", mês em que atingiu um máximo histórico, revela o Banco de Portugal esta quarta-feira, 1 de Agosto. Este é o valor mais baixo do montante de dívida pública desde Março deste ano. A justificar esta descida está uma amortização de 6,6 mil milhões de euros que o Estado fez em Junho. 

É isso mesmo que indica a nota de informação estatística do banco central: "Para esta diminuição contribuiu essencialmente o decréscimo dos títulos de dívida e dos empréstimos", efeito que foi compensado por mais idas ao mercado durante Junho por parte do IGCP. 

Esta operação de pagamento de uma linha de obrigações de 10 anos levou também à queda da almofada financeira. "Os activos em depósitos das administrações públicas diminuíram 4,8 mil milhões de euros", assinala o Banco de Portugal. 

Esta foi a maior queda do montante de dívida pública desde Outubro do ano passado. Nesse mês a dívida desceu 3,88 mil milhões de euros em comparação com Setembro de 2017. 

Esta redução da dívida pública confirma a tese do Presidente da República quando há um mês foi questionado sobre o máximo histórico do montante de endividamento do Estado. "Quando for a altura do reembolso, daqui por uns meses, desce o montante da dívida", afirmou nessa altura Marcelo Rebelo de Sousa. 

De facto, os números da dívida bruta durante o ano são influenciados pelas idas ao mercado, pelo perfil de pagamento da dívida ou por outras operações que possam aumentar ou diminuir o montante. A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) numa análise à dívida pública até Maio já antecipava estes dois efeitos: "A subida nominal da dívida pública decorre do elevado montante de emissões líquidas de dívida titulada que visam assegurar essencialmente liquidez para a amortização da Obrigação do Tesouro em Junho de 2018".

A meta do Governo é baixar o rácio da dívida pública em relação ao PIB para 122,2% em 2018. No primeiro trimestre o rácio subiu para 126,2%, mas ainda é cedo para tirar conclusões. As previsões para 2018 do Fundo Monetário Internacional, da Comissão Europeia ou da OCDE convergem todas para uma diminuição desse rácio.

(Notícia actualizada às 11h31)



Saber mais e Alertas
pub