Conjuntura Estatísticas do PIB menos fiáveis em Portugal do que na Arábia Saudita

Estatísticas do PIB menos fiáveis em Portugal do que na Arábia Saudita

O cálculo do produto interno bruto (PIB) incorpora sempre erros. Apesar de ser uma das estatísticas mais citadas e decisiva para investidores, empresários, consumidores e governos tomarem as suas decisões, o PIB nunca consegue reflectir totalmente a realidade que pretende retratar.
Estatísticas do PIB menos fiáveis em Portugal do que na Arábia Saudita
Reuters
Nuno Aguiar 09 de Janeiro de 2016 às 15:00

Os PIB não nascem todos iguais. Dependendo do país de origem da estatística, ela pode variar muito em rigor. Para mostrar as diferenças entre cada economia, a World Economics, uma empresa de investigação londrina, decidiu construir um ranking de 154 países, ordenados pela fiabilidade dos seus dados de PIB. Chamaram-lhe "Data Quality Index".

 

"Sem dados rigorosos e fiáveis, podem ser tomadas más decisões e as consequências podem ser sérias", explica o director da World Economics, Ed Jones, em declarações à Bloomberg, que noticiou esta semana a existência do índice. "Muitos observadores olham para os números publicados e acreditam que são rigorosos", porque são publicados pelo Governo.

 

Portugal não aparece mal classificado no ranking. Mas também não ocupa um lugar muito honroso. Numa pontuação de 0 a 100, tem uma classificação de 76,6. É o 28.º país do mundo com o PIB mais fiável, atrás da Arábia Saudita, embora à frente de Itália e Grécia (esta última mal classificada para um país da zona euro, no 41.º).

 

O índice é calculado através da análise de cinco factores: a proximidade do ano base utilizado para expurgar a variação de preços do PIB; a qualidade do método internacional utilizado (sistema nacional de contas); a dimensão da economia informal que o PIB tenta estimar, mas que nunca consegue medir; o PIB per capita, como representação aproximada dos recursos financeiros à disposição dos institutos estatísticos; e corrupção.

 

Portugal tem a classificação máxima nos dois primeiros, respondendo às directrizes europeias e das Nações Unidos. No entanto, quando se olha para a economia informal, é só o 41.º do ranking, atrás da Síria e da Mongólia. Em relação ao PIB per capita, as conclusões são ligeiramente melhores: está em 36.º, entre a Estónia e a República Checa. No que diz respeito à corrupção, está em 31.º, entre o Botswana e a Polónia.

 

Em termos gerais, as economias mais pobres tendem a ter dados menos fiáveis do PIB. O que seria mais ou menos expectável. A Suíça e os Estados Unidos têm a classificação mais alta e o Haiti e o Sudão as mais baixas. 

 

Existem alguns países que geram uma curiosidade particular. É o caso da China, cujas taxas de crescimento altíssimas dos últimos anos têm sido por várias vezes questionadas por analistas, considerando-as empoladas. O que conclui o ranking sobre os dados produzidos em Pequim? Que é o 63.º país do mundo com maior rigor na estimativa da produção da sua economia. Ou seja, uma má classificação para uma economia tão grande - Vietname, Namíbia e Ruanda são melhores -, mas ainda assim na metade superior da tabela. O que significa que há motivos para desconfiança, mas que os resultados não parecem estar a distorcer de forma radical a realidade (pelo menos na comparação com outros países desenvolvidos).




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
FDP 11.01.2016

Tambem só teem que contabilizar a venda de petróleo . . . assim tambem qualquer merceeiro

fa 11.01.2016

É natural que assim seja, porque se formos à Arabia Saudita vemos um camelo de vez em quando, ao passo que em Portugal desde que o Sr. Costa foi para o governo faz de nós todos camelos

Luis 09.01.2016

Quando a droga e prostituição estão para o PIB, não percebo o porque de os alguém se queixar dos números, se fosse governo aumentava esta valor sempre para ficar com o défice abaixo do 3%

Anónimo 09.01.2016

Tudo o que é Estado, Organísmos Públicos ,Bancos,justiça E reguladores em Portugal nada é Fiável para os cidadãos, e cada vez pior.

ver mais comentários
pub