Conjuntura Merkel: "Vale a pena todos os esforços" para evitar uma guerra comercial

Merkel: "Vale a pena todos os esforços" para evitar uma guerra comercial

A chanceler afirmou esta quarta-feira no Parlamento alemão que devem ser feitos "todos os esforços" para evitar uma guerra comercial generalizada.
Merkel: "Vale a pena todos os esforços" para evitar uma guerra comercial
Lusa
Negócios com Bloomberg 04 de julho de 2018 às 11:10
Angela Merkel assegurou esta quarta-feira na câmara baixa do Parlamento alemão que a União Europeia fará "todos os esforços" possíveis para que o actual conflito com os Estados Unidos não se materialize numa guerra comercial. A principal preocupação da chanceler reside nas tarifas aos carros europeus que são "muito mais sérias" do que as tarifas aplicadas ao aço e alumínio.

Há duas semanas, o presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou a UE com tarifas de 20% sobre as importações de carros europeus. A ameaça chegou depois de a Comissão Europeia ter ripostado as tarifas norte-americanas ao aço e alumínio. No caso dos automóveis, essa ameaça é vista com maior preocupação, principalmente por parte do sector automóvel alemão que tem um peso significativo. 

O argumento de Trump é que, no sector automóvel, as tarifas europeias de 10% contrastam com as tarifas norte-americanas de 2,5%. A UE contrapõe que essa argumentação ignora as tarifas mais elevadas dos EUA noutros produtos, nomeadamente nas carrinhas pick-up.

Esta quarta-feira o Financial Times dá conta de que Bruxelas está a equacionar um acordo com vários países para diminuir as taxas alfandegárias à importação de carros para evitar mais tarifas por parte de Trump. Contudo, essa estratégia deverá encontrar muitas barreiras tanto dentro da UE como nos EUA. 

No Parlamento alemão, a chanceler deixou uma mensagem de confiança. "Vale a pena fazer todos os esforços para tentar desarmar o conflito de forma a que não se torne numa guerra real, mas claro que existem dois lados nisto", afirmou Merkel perante os deputados alemães, referindo que a ida do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, a Washington representa um desses esforços. 

Apesar de ter dito que não queria ir muito longe nas suas palavras, a chanceler alemã argumentou que não faz sentido contabilizar a balança comercial tendo apenas em conta os bens. Contabilizando também os serviços, segundo Merkel, os EUA têm um excedente comercial perante a Europa. 

No seu discurso, Merkel recuperou o exemplo da crise para mostrar a importância da unidade entre as principais economias do mundo. Para a chanceler a crise financeira internacional não teria sido resolvido "tão rapidamente, apesar da dor", caso não houvesse cooperação ao nível do G-20 num "espírito de camaradagem". 

Além da questão comercial, os Estados Unidos continuam a pedir aos Estados-membros da NATO para aumentar a despesa em defesa. Neste discurso Angela Merkel relembrou o compromisso de aumentar os gastos para 1,5% do PIB em defesa até 2025.



pub