Conjuntura Portugal está entre os países onde o investimento está a demorar mais a recuperar

Portugal está entre os países onde o investimento está a demorar mais a recuperar

Islândia, Eslovénia e Grécia. Esses são os três únicos países onde o investimento privado está cair mais do que Portugal face a 2008. Em 2014, as empresas portuguesas ainda investiam menos 30% do que seis anos antes.
Portugal está entre os países onde o investimento está a demorar mais a recuperar
Nuno Aguiar 26 de Fevereiro de 2016 às 02:30

A conclusão faz parte do estudo publicado esta madrugada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) "Going for Growth" (a caminho do crescimento), onde são detalhados os principais desafios para alcançar um crescimento económico robusto, assim como uma análise às medidas e reformas que o podem potenciar.

 

"Na maioria das economias avançadas, a recuperação do investimento não-residencial [que exclui a construção de habitação] está a ficar para trás do PIB, especialmente entre os países europeus", pode ler-se no documento. Isto é, aquilo que as empresas gastam em equipamento, software, propriedade intelectual ou edifícios que não de habitação está a registar uma recuperação mais lenta do que a economia.

 

Em Portugal, por exemplo, o nível do produto interno bruto (PIB) em 2014 estava 7,1% abaixo de 2008, mas o investimento estava muito mais atrasado: -30,5%. Só as empresas gregas, islandesas e eslovenas estão a demorar mais tempo a recuperar os níveis de investimento pré-crise.

 

"Dívidas ainda existentes sobre a força e sustentabilidade da procura interna, difícil acesso a financiamento e perspectivas de crescimento débeis para a economia mundial estão a prejudicar o investimento", analisa da OCDE. "Embora a fragilidade do mercado de trabalho é ainda um grande desafio para muitos países, um factor decisivo tem sido a desaceleração do crescimento de produtividade, o que reflecte fraco investimento em capital físico (máquinas, equipamento e infraestruturas físicas) e crescimento baixo da produtividade."

 

Se o investimento tem fraquejado desde a crise, os problemas de produtividade recuam até ao início da década passada. Entre os desenvolvimentos mais preocupantes, segundo a OCDE, está uma difusão mais limitada da inovação, investimento mais fraco em capital humano e ritmo mais lento de nascimento de start-ups.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso1 26.02.2016

Agora com a "geringonça" a confiança vai ser total

comentários mais recentes
surpreso1 26.02.2016

Agora com a "geringonça" a confiança vai ser total

Anónimo 26.02.2016

E não esquecer este BdP, CMVM e bolsa q não ajudam. Uma forma de financiamento pode ser em bolsa mas da maneira como esta gente trabalha ninguém arrisca meter dinheiro em empresas portuguesas. Para além de baixo retorno q n é novidade os riscos aumentaram muito

Camponio da beira 26.02.2016

Com a burocarcia que temos, impostos e custos energeticos e justiça à "Orlando Figueira", querem o quê?

pub
pub
pub
pub