Conjuntura Recuperação empresarial em 2014 liderada por alojamento e restauração

Recuperação empresarial em 2014 liderada por alojamento e restauração

Os dados preliminares do INE sobre as contas das empresas portuguesas no ano passado confirmam uma melhoria da actividade económica. Alojamento e restauração lideram. Construção continua em crise.
Recuperação empresarial em 2014 liderada por alojamento e restauração
Rui Peres Jorge 28 de setembro de 2015 às 12:23

O valor acrescentando bruto e o excedente bruto de exploração, dois dos principais indicadores da actividade das empresas nacionais, aumentaram em 2014, evidenciando o início da recuperação económica no ano passado, mostram dados do INE, que dão conta de um "dinamismo considerável" entre as PME, e desempenhos particularmente positivos no alojamento, restauração e comércio.

O Valor Acrescentado Bruto (VAB), que mede a produção das empresas após descontados os seus custos com essa produção, cresceu 3,7% face a 2013. O Excedente Bruto de Produção (EBP), uma medida que agrega os rendimentos dos factores produtivos usados pelas empresas, aumentou 6,9%. Perante estes números o INE escreve que "os dados preliminares de 2014 das estatísticas das empresas reforçam os sinais positivos da economia portuguesa". O pessoal ao serviço aumentou 1,7%.

"Os principais indicadores económicos do sector empresarial não financeiro registaram evoluções positivas face a 2013, com o VAB a crescer 3,7% e o Excedente Bruto de Exploração 6,9%", lê-se na nota divulgada pelo instituto, onde se acrescenta que "as PME evidenciaram um dinamismo considerável com uma taxa de crescimento do VAB de 4,6% face a 2,1% observado nas grandes empresas".


O INE evidencia ainda que "o sector do alojamento e restauração evidenciou a taxa de crescimento mais elevada do volume de negócios (9,0%) e do EBE (21,6%)", enquanto "no sector da construção continuou a verificar-se uma contracção nos indicadores em análise". Por outro lado, o "sector do comércio foi o que mais contribuiu para a crescimento registado no volume de negócios, VAB e EBE".

O instituto analisa ainda que "as sociedades com perfil exportador contribuíram, em 2014, para 32,8% do VAB e 23,2% do pessoal ao serviço do total das sociedades não financeiras, respectivamente, mais 1,3 pontos percentuais e mais 0,6 pontos percentuais face ao ano 2013".




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
explica-te PS 28.09.2015

josé sócrates e o seu n.2 costa, deixaram o país falido.

a austeridade sem limites, foi consequencia disso: não houve mais dinheiro para gastar, o inquilino anterior rebentou com o dinheiro das próximas 2 gerações.

ainda temos que agradecer à Troika ter emprestado mais, o que ninguém nos fazia...

Anónimo 28.09.2015

Alojamento e restauração estão ligados, e tiveram condições excepcionais graças à instabilidade noutros destinos turísticos. Indústria, que é bom, não temos. Tecnológicas saíram com a PT. Construção morta. Chamar a isto recuperação é forçar o termo.

Bento20 28.09.2015

Deveu-se ao aumento dos sem abrigo a quererem abrigo e comida. Boa vida sim, trabalho não (é o refrão dos comunistas/sindicalistas). Vieram filhos do Khadafi, do Soares Iraque e outros da Síria e arredores. Admite-se a hipótese que possam ir para a barraca do Socras, também conhecido pelo Jé Irão da Fava, ou para Marte.

Explica-te 28.09.2015

Ó bronquite
Se fores F.P. é o governo que te paga e este governo até faz melhor,tb te ROUBA.
Quais os factos que queres realçar ?
Os 3 milhões de reformados pobres? As crianças a passar fome ? Os jovens a fugir? Os 2 milhões de desempregados? A carga brutal de impostos?

ver mais comentários
pub