Conjuntura Rendimento e consumo das famílias estabilizam no primeiro trimestre

Rendimento e consumo das famílias estabilizam no primeiro trimestre

Na Zona Euro, a evolução do rendimento e do consumo das famílias têm andado alinhados desde o início de 2017. Nos primeiros três meses de 2018 registaram crescimentos tímidos face ao último trimestre do ano passado.
Rendimento e consumo das famílias estabilizam no primeiro trimestre
Pedro Elias
Margarida Peixoto 27 de julho de 2018 às 11:11
O rendimento e o consumo das famílias da Zona Euro ficaram praticamente inalterados no primeiro trimestre deste ano. O rendimento per capita subiu apenas 0,1% e o consumo per capita avançou 0,3%, quando comparados com o último trimestre de 2017, mostram os dados publicados esta sexta-feira, 27 de Julho, pelo Eurostat.

Apesar da ligeira diferença entre o ritmo de crescimento do consumo e dos rendimentos, estes dois indicadores têm andado consideravelmente alinhados desde o início do ano passado. Os dados do Eurostat estão apresentados em termos reais, isto é, descontam o efeito da variação de preços, e foram corrigidos de sazonalidade, permitindo por isso a comparação trimestral. No final de 2017 o rendimento tinha crescido 0,3% e o consumo tinha avançado apenas 0,1%.

Os números tímidos vão ao encontro do arrefecimento verificado nos primeiros três meses do ano, quando a economia da moeda única avançou apenas 0,4%, depois de ter crescido 0,7% no final de 2017.

Mas ainda esta quinta-feira, na conferência de imprensa depois da reunião de definição de política monetária, Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu, reafirmou a confiança no ritmo de crescimento económico, adiantando mesmo que os indicadores de meados do ano já estabilizaram em níveis elevados. Será também de esperar que os salários comecem a subir e que esse aumento do rendimento disponível dê mais algum suporte ao consumo e ao crescimento, explicou Draghi.

Olhando para o conjunto da União Europeia, notam-se ligeiras diferenças. Consumo per capita das famílias avançou 0,1% entre Janeiro e Março, um ligeiro abrandamento face aos 0,2% registados no último trimestre de 2017. Mas o rendimento travou de forma mais expressiva: registou uma queda de 0,1%, depois de ter crescido 0,6% entre Outubro e Dezembro do ano passado.



pub