Defesa Drone de 1.900 milhões junta Londres e Paris

Drone de 1.900 milhões junta Londres e Paris

O projecto conjunto das autoridades britânicas e francesas pretende desenvolver o "veículo mais avançado deste género na Europa", capaz de efectuar vigilância e disparar mísseis contra alvos.
Drone de 1.900 milhões junta Londres e Paris
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 03 de março de 2016 às 15:04

Os governos britânico e francês vão desenvolver um projecto para a construção de drones (dispositivos voadores não tripulados) militares, que pretendem que venha a ser o "veículo mais avançado deste género na Europa".


O projecto, cujo investimento ascende a 1.500 milhões de libras (1.900 milhões de euros), deverá ser apresentado esta quinta-feira, durante a cimeira franco-britânica que decorre na cidade francesa de Amiens, no norte do país, avança a Bloomberg, citando um comunicado do Governo de Londres.

O financiamento do Sistema de Combate Aéreo do Futuro ("Future Combat Air System" em inglês) será dividido entre os dois países - 950 milhões de euros cada - e contará com o envolvimento de empresas ligadas à indústria europeia da defesa e da aeronáutica, como a BAE Systems (que produz aeronaves de treino e combate), a Rolls-Royce (fabricante de motores) e a Dassault Aviation (que produz aviões como os Falcon).


De acordo com a Reuters, os aparelhos permitirão vigiar ameaças de segurança e terão a capacidade de disparar mísseis.

O comunicado acrescenta que ao projecto se segue a um estudo de exequabilidade do programa, iniciado há dois anos e avaliado em 155 milhões de euros, a que estarão associadas empresas como as britânicas Selex (filial de tecnologias de informação da italiana Finmeccanica) e Snecma (fabricante de motores para aviões e foguetões) e a francesa Thales (sistemas de aeronavegação).

França e Reino Unido são dois dos mais de 30 países envolvidos na coligação militar destinada a combater e enfraquecer as forças do Daesh, auto-denominado "Estado Islâmico", no Iraque e na Síria.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub