Função Pública  ADSE vai avançar com eleições para representantes dos beneficiários

ADSE vai avançar com eleições para representantes dos beneficiários

O regulamento eleitoral já foi publicado em Diário da República e o processo deve ser desencadeado nos próximos dez dias. ADSE já propôs a data de 12 de Setembro, mas nem todos os interessados concordam.
 ADSE vai avançar com eleições para representantes dos beneficiários
Correio da Manhã

A ADSE vai avançar com o processo para a eleição de quatro representantes dos beneficiários ao qual, em teoria, podem concorrer os cerca de 830 mil beneficiários titulares, sejam funcionários públicos ou aposentados.

Os quatro membros eleitos – que precisam de uma lista e de cem assinaturas – farão parte do novo Conselho Geral e de Supervisão, que será ouvido nas próximas decisões, como no processo de alargamento a novos beneficiários.

O regulamento eleitoral foi publicado esta quarta-feira em Diário da República o que significa que, nos termos do diploma que transformou a ADSE num instituto público, o processo eleitoral deve ser desencadeado num prazo máximo de dez dias úteis.

O projecto de portaria, que traz poucas novidades face à última versão, prevê que as eleições sejam desencadeadas com uma antecedência de 50 dias úteis.


Data de 12 de Setembro não é consensual

De acordo com a proposta que a ADSE fez chegar no final do mês passado aos membros já designados para esse novo órgão, onde também estão os sindicatos e as associações de reformados, a intenção é que as eleições sejam publicitadas no próximo dia 25, terça-feira, e que sejam realizadas a 12 de Setembro.

No cenário proposto, a campanha eleitoral será entre 25 de Agosto e 11 de Setembro, o que não é consensual.

Se a Federaçao de Sindicatos da Administração Pública (Fesap, da UGT) tem defendido que o processo avance assim que possível, alegando que disso dependem decisões relevantes, como a abertura a novos beneficiários, a associação de reformados Apre! entende que o período de férias desincentiva a participação.

 

"Todo o processo vai decorrer num período que apanha as férias da maior parte dos portugueses e principalmente dos que têm ADSE. E isso vai dificultar a participação das pessoas", refere Rosário Gama, da Apre!.

Esta não é, aliás, a única questão que se levanta sobre a participação.

Inicialmente estava previsto que qualquer beneficiário titular se pudesse apresentar às eleições individualmente, desde que apoiado por cem assinaturas, mas o Governo decidiu entretanto que, em vez disso, os candidatos têm de constituir uma lista com oito pessoas (quatro membros principais e quatro suplentes).

A decisão foi contestada tanto pela Apre! como pela Associação 30 de Julho, interessadas em apoiar candidatos.

Os críticos alegam que a exigência de uma lista composta por oito pessoas favorece as organizações que já estão no terreno, como os sindicatos e as associações, desincentivando candidaturas espontâneas.

 

"Oito pessoas e cem assinaturas é difícil arranjar neste período principalmente para as pessoas que não têm suporte de apoio de associações ou sindicatos", diz Rosário Gama.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
fpublico condenado a 48 anos trabalho/descontos Há 4 semanas

OS FP DO SEC XXI SÃO UMA CAMBADA DE ENGRAIXOLAS, SUBSERVIENTES E MERDROSOS

INSTITUTO PUBLICO É PARA DAR AUMENTO DE 1000€ AO DIRETOR

AO QUE PARECE OS RESTANTES TRABALHADORES LEVAM UM KOR..NO DE AUMENTO

fpublico condenado a 48 anos trabalho/descontos Há 4 semanas

COISAS DA DEMOCRACIA E TUDO A TENTAR MA..MAR EUROS SEM TRABALHAR

A ADSE ERA GRATUITA NO TEMPO DO DR. SALZAR/FASCISCO. EM DEMOCRACIA PAGA-SE 3,5% PARA SUSTENTAR CIGANADA E XULECOS DO SNS E NÃO SO

OS TUGAS MANSOS ACEITAM DISCRIMINAÇÃO

pertinaz Há 4 semanas

ADSE (DE TODOS NÓS PORTUGUESES) PASSOU A SER O GRANDE FINANCIADOR DOS GRUPOS PRIVADOS DE SAÚDE...!!!

pub
pub
pub
pub