Conjuntura  Indicador avançado da OCDE para Portugal trava tendência de queda

Indicador avançado da OCDE para Portugal trava tendência de queda

Depois de sete meses em queda, o indicador avançado da OCDE para Portugal estabilizou em Abril.
 Indicador avançado da OCDE para Portugal trava tendência de queda
Bruno Simão
Nuno Carregueiro 12 de junho de 2017 às 11:00

O Indicador Compósito Avançado da OCDE para Portugal estabilizou em Abril, colocando fim a uma série de sete meses sempre a recuar.

 

Apesar de ter travado a tendência negativa, o indicador permanece abaixo dos 100 pontos. Situou-se em Abril nos 99,89, o que em termos homólogos representa uma queda de 0,32%. Ainda assim, estabilizou face ao mês anterior. No último ano o máximo foi fixado em Agosto do ano passado, quando atingiu 100,49 pontos.

 

O Indicador Compósito Avançado da OCDE é actualizado todos os meses, tendo sido concebido para detectar precocemente sinais de pontos de viragem nos ciclos económicos, dando os seus valores de informação apenas qualitativa. Quando ele desce mas ainda está acima de 100, a OCDE considera estar-se perante um provável cenário de desaceleração; quando este desacelera e já está abaixo de 100, pela frente poderá estar uma contracção do PIB.

 

Contudo, os dados mais recentes da economia portuguesa parecem afastar este cenário, já que o PIB cresceu a um ritmo anual de 2,8% no primeiro trimestre e o ministro das Finanças, Mário Centeno, apontou para um crescimento acima de 3% no segundo trimestre.

 

O bom arranque de ano levou já várias instituições e bancos a reverem em alta a previsão de crescimento para a economia portuguesa este ano, antecipando um aumento do PIB acima de 2%.

 

Crescimento estável na Zona Euro

 

No relatório publicado esta segunda-feira, 12 de Junho, a OCDE diz que os seus indicadores continuam a apontar para um crescimento estável na economia global.

 

A mesma tendência também se observa nas principais regiões económicas do globo, com os Estados Unidos, Japão, Reino Unido e Zona Euro a registarem também um crescimento estável. A OCDE destaca que na Alemanha o crescimento está a ganhar ritmo, tal como em várias economias emergentes, como Brasil e Rússia.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 12.06.2017

Este país tem gente a mais a ganhar demais face ao valor que criará, cria ou criou. Não são portanto de estranhar as falências cíclicas do país, a sua constante dependência e as crises que ele vive.

comentários mais recentes
Anónimo 12.06.2017

Como é que se paga todo o excedentarismo e sobrepagamento em organizações como as da banca de retalho ou sector energético? Com recurso a artimanhas como rendas abusivas, subsídios, isenções discricionárias, proteccionismo mafioso e portanto, com recurso à criação de um mercado completamente distorcido. Quem perde são os consumidores, os investidores e os contribuintes.

Anónimo 12.06.2017

A boa gestão de recursos humanos num mercado laboral flexível e sempre em mudança, como é norma em todos e quaisquer mercados, é o segredo para a riqueza das nações. "The East Chicago School Board voted to cut 112 employees from its payroll on Monday. The decision on layoffs, which came on a unanimous voice vote, will include teachers at Central High School, Block Middle School, Carrie Gosch Elementary, Harrison Elementary, Lincoln Elementary and Washington Elementary schools, according to the meeting's personnel report." www.chicagotribune.com/suburbs/post-tribune/news/ct-ptb-ec-budget-cuts-june5-0606-20170606-story.html

Anónimo 12.06.2017

Este país tem gente a mais a ganhar demais face ao valor que criará, cria ou criou. Não são portanto de estranhar as falências cíclicas do país, a sua constante dependência e as crises que ele vive.

surpreso 12.06.2017

Muito bem Carregueiro ,a propaganda diária.É só "quedinha"

ver mais comentários
pub