Eleições  Juiz que chumbou candidaturas a Oeiras fora do processo

Juiz que chumbou candidaturas a Oeiras fora do processo

O juiz que rejeitou, na semana passada, as candidaturas independentes de Isaltino Morais e de Sónia Gonçalves à Câmara de Oeiras está fora do processo, extinguindo-se o incidente de suspeição pedido pelos candidatos.
 Juiz que chumbou candidaturas a Oeiras fora do processo
Pedro Elias/Negócios
Lusa 14 de agosto de 2017 às 13:29
Um despacho do Tribunal de Oeiras, emitido na sexta-feira, informa que os requerimentos de incidente de suspeição apresentados pelo grupo Isaltino - Inovar Oeiras de Volta e pelo movimento independente Renascer Oeiras 2017 "não se justificam", uma vez que o juiz Nuno Cardoso, que chumbou as candidaturas, esteve de turno de 1 a 8 de Agosto e "não mais terá intervenção no processo eleitoral".

"Assim sendo, e uma vez que as questões suscitadas nos requerimentos apresentados, não poderão ser decididas em sede de incidente de suspeição, e verificando-se (...) que o senhor juiz subscritor do despacho em crise não mais terá intervenção nos autos de processo eleitoral, declaro extinta a presente instância incidental", sustenta.

As candidaturas de Isaltino Morais e Sónia Gonçalves foram rejeitadas pelo juiz Nuno Cardoso que detectou, segundo o despacho, "irregularidades" na identificação dos candidatos das listas.

Isaltino Morais garantiu que cumpriu "escrupulosamente a lei" e levantou suspeitas sobre o juiz, questionando a sua imparcialidade, uma vez que, disse, tem como seu padrinho de casamento o actual presidente da Câmara de Oeiras e também candidato nas próximas eleições, Paulo Vistas.

A candidatura de Isaltino Morais deu também a conhecer a folha de turnos ao processo eleitoral de 2017 do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa Oeste, onde consta que o juiz Nuno Cardoso se disponibilizou para substituir os turnos dos colegas pelo período de 1 a 8 de Agosto de 2017.

Os dois independentes reclamaram da decisão no Tribunal de Oeiras dentro do prazo previsto e aguardam agora resposta judicial.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado saraiva14 Há 5 dias

É só cana*lhagem! Neste País é só canalha*gem! País de vermes! Não têm coluna vertebral! Só sabem rastejar!

comentários mais recentes
eleitor Há 5 dias

Não é de admirar !!!!!!!!!.............como sempre disse, Portugal é um Paraíso para corruptos, pulhiticos, vigaristas e outras mais categorias "Indecentes". Pobre daquele que se quer honesto !

Justiça portuguesa foi feita pelos e para os corru Há 5 dias

Quereis melhor prova de que o crime compensa, em Portugal ?
O mais grave não é o afastamento do juiz, se se provar que agiu dolosamente.
O prior de tudo é a Justiça portuguesa não inibir ex-presidiários de concorrer a cargos públicos e - SUBLINH-SE - voltar a mexer em dinheiros de todos nós.

Camponio da beira Há 5 dias

A lei não deve permitir uma interpretação e o seu contrario. Pois se assim for, a lei passa a ser a opinião pessoal do juiz e não o que está escrito. Mesmo que o Juiz fosse filho de Isaltino a lei devia ser A LEI. O que se está a passar demonstra que quem manda são os juizes e não os eleitos.

Mr.Tuga Há 5 dias

Espero que o SEMorais ganhe e seja condecorado pelo PR!

Esta CAGADE*IRA tuga MERECE-O!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub