Impostos  Produtores pedem congelamento de impostos para as bebidas espirituosas

Produtores pedem congelamento de impostos para as bebidas espirituosas

A indústria “precisa de respirar” e “já não há margem para subir mais os impostos”. Antecipando que uma descida será impossível, os produtores de bebidas espirituosas fizeram contas e mandaram ao Governo uma sugestão para o OE: congele-se a carga fiscal.
 Produtores pedem congelamento de impostos para as bebidas espirituosas
Reuters
Filomena Lança 26 de setembro de 2017 às 22:00
Em 2003 o imposto sobre o álcool e as bebidas alcoólicas (IABA) aplicado às bebidas espirituosas registou uma receita de 206 milhões de euros. Treze anos volvidos, em 2016, a receita recuara para os 190 milhões, uma perda anual de mais de um milhão de euros. E isso apesar de, ao longo desse período, a taxa nominal do imposto praticamente ter aumentado 150%.

Os números constam de um estudo encomendado pelos produtores à consultora Ernst & Young (EY) e é a eles que recorre a Associação Nacional de Empresas de Bebidas Espirituosas (ANEBE) para avisar o Governo que o sector não tem margem para aguentar mais subidas e que, para que a indústria possa "respirar" é preciso, pelo menos, que o Executivo opte por congelar a carga fiscal.

No âmbito da preparação do Orçamento do Estado (OE) para 2018, a ANEBE, que representa os produtores nacionais, enviou para o Executivo e para os vários grupos de trabalho um documento a sugerir uma cláusula de "Stand Still" no IEC das Espirituosas até 2020, que o mesmo será dizer, manter o imposto congelado nos próximos anos. Esta, sustentam, "é uma medida chave para o relançamento da competitividade da indústria que estimulará o emprego e antecipará decisões de investimento."

Com o Governo a prometer descidas de impostos no IRS, é bastante provável que, à semelhança do que tem vindo a acontecer praticamente todos os anos, o IABA tenha novo aumento anunciado. Rui Pedro Duarte, secretário-geral da ANEBE, afirma que a perda de receita fiscal registada nos últimos anos mostra que, seguramente, não deverá ser esse o caminho. " Esta perda de receita mostra a ineficiência do imposto", sustenta Rui Pedro Duarte, secretário-geral da ANEBE. "Uma garrafa custa em média 10,5 euros, sendo que 54% são impostos, IVA e IABA. É absolutamente desproporcional", lamenta.

O consumo de bebidas alcoólicas em Portugal é relativamente estável, com oscilações pouco relevantes, e o país tem um nível de consumo moderado. Segundo a ANEBE, "temos um consumo anual per capita de cerca de um litro, enquanto que na Europa a 28 a média são 2,6 litros". Ou seja, conclui Rui Pedro Duarte, "um novo aumento de impostos não poderá ser justificado por razões de controlo de saúde pública, mas simplesmente pela receita. E a receita, essa já não aumenta, acredita o responsável.

O estudo da EY, que avaliou o impacto fiscal da indústria das bebidas espirituosas em Portugal, conclui que, em matéria de tributação, o mercado actual de bebidas alcoólicas se situa "para lá do ponto óptimo do nível de tributação", sendo que este se situa, pelas contas da consultora, 15% abaixo do actual IABA. Uma redução desta ordem no imposto poderia aumentar a receita em 200 milhões de euros, conclui-se.

Mantendo-se a actual pressão fiscal, "a receita continuará a ressentir-se", condicionada por fenómenos de redução do consumo, desvio para produtos mais baratos e contrafacção. Esta última, diz o secretário-geral da ANEBE, "representa oito milhões de vendas em Portugal", pelo que "desagravar o imposto é também uma forma de travar a economia informal e inverter esta tendência".

Há ainda que ter conta a comparação com Espanha e a actual diferença de 454,50 euros por hectolitro face ao IEC espanhol. A redução da disparidade seria um ponto de partida para a redução dos fenómenos de "crossborder", que, sobretudo nas zonas raianas, também têm impacto no consumo e na própria receita fiscal.

Bebidas espirituosas asseguram 60% do IABA

As bebidas espirituosas, de preços mais elevados, representam 11% do consumo de bebidas alcoólicas em Portugal e menos de 5% em volume de mercado, mas há anos em que chegam a asseguram 60% da receita do IABA, refere o estudo da EY. "Uma equação difícil de manter", sustenta  Rui Pedro Duarte. Para o secretário-geral da ANEBE, "está a insistir-se num imposto que já tem uma enorme pressão destruidora de valor para a indústria". Daí que, defende, congelá-lo, à semelhança do que já foi feito por exemplo no Reino Unido, "pode torná-lo mais eficiente e gerar mais receita e também deixar a indústria respirar, para voltar a crescer". Entre os produtores de bebidas espirituosas, 80% são PME. A produção está a crescer 5% ao ano e as exportações 6%.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 27.09.2017

Absolutamente ANEDÓTICO! Deveria sim AUMENTAR ainda mais neste tipo de bebida (branca) !!!

Mas, com estes xuxas DESPESISTAS é bem possível que pegue....

Anónimo 27.09.2017

Congelamentos só para "Tinto" e "Bagaço". Quem tiver gostos espirituosos que os pague!

pub