Política  PS perto da maioria absoluta na sondagem da Católica

PS perto da maioria absoluta na sondagem da Católica

Se as eleições fossem hoje, os socialistas poderiam dispensar os restantes países de esquerda para formar governo. Consegue 43% das intenções de votos, mais 9 pontos do que há um ano.
 PS perto da maioria absoluta na sondagem da Católica
Miguel Baltazar
Negócios 25 de Novembro de 2016 às 08:06

O Partido Socialista obtém 43% das intenções de voto numa sondagem efectuada pelo Centro de Estudos e Sondagens de Opinião (CESOP) da Universidade Católica para o Diário de Notícias, Jornal de Notícias, RTP e Antena1.

 

Este resultado, que traduz uma subida de 9 pontos percentuais no espaço de um ano, coloca o partido de António Costa muito perto da maioria absoluta, o que dispensaria a reedição de geringonça para os socialistas formarem governo. Pouco depois de Costa ter tomado posse como primeiro-ministro o PS surgia com 34% das intenções de voto na sondagem da Católica.

 

Se o PS está em alta, as intenções de voto no PSD estão quase em mínimos. O partido de Passos Coelho recolhe 30%, quando há um ano, em conjunto com o CDS, obteve 41%. Os social-democratas atingiram as intenções de voto mais baixas em 2009 com Ferreira Leite (29,11%) e com Santana Lopes em 2005 (28,7%).

 

Quanto aos crestantes partidos, o CDS surge com 6%, pelo que uma reedição da PaF chegaria aos 36%. Apesar de manter o estatuto de terceiro partido, o Bloco de Esquerda desce três pontos para 8% , enquanto o PCP baixa um ponto para 6%. O PAN mantém-se com 2%.

 

No que respeita aos líderes políticos portugueses, a sondagem revela um Presidente da República a recolher uma quase unânime opinião favorável, António Costa com o maior ganho de popularidade e Passos Coelho como único líder em perda, refere a RTP.

Marcelo Rebelo de Sousa ocupa a primeira posição na avaliação dos portugueses, recolhendo 97% de notas positivas. António Costa consegue a evolução mais positiva entre todos os líderes partidários: 81% de avaliações positivas agora, contra 47% em Dezembro de 2015. Passos Coelho foi o único líder em queda: recolhe 55% de apreciações positivas, contra os 56% anteriores.




A sua opinião102
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Os esquerdolas são tão ranhosos que andam sempre com o argumento da troika. QUEM ASSINOU O MEMORANDO DA TROIKA E O NEGOCIOU FOI O PS, SEUS MERD*SOS!!! ESTAMOS ENTREGUES A PALHAÇOS DE CIRCO POPULISTAS, DEMAGOGICOS E MENTIROSOS!!! ESPERO QUE APAREÇAM POR CA E PELA EUROPA VARIOS TRUMPS PARA COLOCAREM ESTAS CAVALGADURAS NO SITIO QUE MERECEM!!!

comentários mais recentes
Chaas Há 5 dias

I cannot tell a lie, that really heepdl.

Aileen Há 5 dias

That's a cunning answer to a chinlengalg question

É MUITO PREFERÍVEL QUE O PS NÃO TENHA A MAIORIA Há 1 semana

Há toda a conveniência que o Partido Socista não atinja a maioria absoluta e que continue a necessitar para a solução governativa negociar com um ou os dois partidos à sua esquerda.
Será muito mais saudável, porque evitará tentações direitistas dentro do PS.

JCG Há 1 semana

Espero que não a atinja. Os tipos são do mais gelatinoso e hipócrita que anda por aí. No mínimo que precise de algum outro partido para formar maioria.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub