Justiça  Rui Rangel falha presença em tribunal por "razões de natureza pessoal"

Rui Rangel falha presença em tribunal por "razões de natureza pessoal"

O juiz desembargador Rui Rangel, arguido na 'Operação Lex', não compareceu hoje na secção de trabalho da nona secção criminal do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) por "razões de natureza pessoal".
 Rui Rangel falha presença em tribunal por "razões de natureza pessoal"
Lusa 01 de fevereiro de 2018 às 15:48

O juiz desembargador Rui Rangel, arguido na 'Operação Lex', não compareceu hoje na secção de trabalho da nona secção criminal do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) por "razões de natureza pessoal".

 

Esta informação do presidente do TRL, Orlando Nascimento, foi disponibilizada aos jornalistas após estes terem sido impedidos de consultar as pautas sobre as decisões da nona secção criminal previstas para hoje.

Os jornalistas solicitaram a presença da PSP para que fosse facultado acesso ao espaço onde estão fixadas as decisões do tribunal e só após a chegada da polícia é que foi divulgada a nota do presidente do TRL.

A 9ª secção criminal do Tribunal da Relação de Lisboa, da qual faz parte Rui Rangel, reúne às quintas-feiras.

Os interrogatórios aos cinco arguidos detidos na 'Operação Lex' continuam a decorrer desde hoje de manhã no Supremo Tribunal de Justiça (STJ), em Lisboa, e Rita Figueira, mulher de Rui Rangel, foi dispensada da parte da tarde e volta a ser inquirida na sexta-feira de manhã, segundo o seu advogado.

Depois da hora de almoço, António Pinto Pereira, advogado de Rita Pereira, disse aos jornalistas que estava tudo a correr bem, mas que era uma inquirição longa, tendo sido feito um reagendamento dos trabalhos, voltando a sua cliente na sexta-feira às 10:00.

A 'operação Lex', que tem 12 arguidos, incluindo cinco detidos, investiga crimes de branqueamento de capitais, fraude fiscal, tráfico de influências, corrupção/recebimento indevido de vantagens.

Entre os arguidos estão os juízes desembargadores Rui Rangel e Fátima Galante, Rita Figueira, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e o vice-presidente do clube, Fernando Tavares.

Os interrogatórios judiciais dos cinco detidos começaram na quarta-feira ao início da noite no Supremo Tribunal de Justiça, onde o processo corre termos, dado que envolve dois juízes desembargadores, e é dirigido pelo juiz conselheiro Pires da Graça.

Na operação, desencadeada na terça-feira, foram realizadas 33 buscas, das quais 20 domiciliárias, nomeadamente ao Sport Lisboa e Benfica, à casa de Luís Filipe Vieira e dos dois juízes e a três escritórios de advogados.

 




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Não terá tido tempo de arranjar argumentos para contrariar a acusação. Desconfio que vamos ter mais um processo a arrastar-se pelos tribunais e no fim, como é hábito, ninguém é condenado. Tal como alguém um dia disse:
"Para os pobres é dura lex, sed lex. A lei é dura, mas é a lei. Para os ricos, é dura lex, sed latex. A lei é dura, mas estica”.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Estes casos mediáticos que envolvem gente bem na vida, só servem para gastar dinheiro dos contribuintes. Envolvem sempre um batalhão de gente nas investigações, inquirições, julgamentos, recursos, quando o comum do cidadão sabe que ninguém é condenado. Tenham tino.

Lusa Atenas Há 3 semanas

Este processo nunca deveria ser chamado de Lex, mas sim Judex idoneus ( juiz idóneo).

De como um biltre com um bom fato é um senhor Há 3 semanas

Sorri, ao ler, num jornal desportivo, a afirmação do advogado de LFV de q, cito, "estamos perante uma perseguição ostensiva", referente ao facto de LFV ter recorrido a um certo juiz q vende as suas sentenças, a troco de euros, no sentido de dar um jeito no processo de "Dívidas Fiscais" do filho

QUEM NÃO DEVE NÃO TEME. NÃO É O CASO ! Há 3 semanas

Nos processos-crime, como o que se prefigura para LFV, é costume os advogados, para contornarem a matéria de facto, de que têm medo, usarem e abusarem de expedientes formais e vazios.
Foi o caso de João Correia, ao pretender invocar a nulidade das buscas, pela PJ, à casa de LFV e ao Estádio do SLB

ver mais comentários
pub