Defesa  Trump na NATO: "Isto não tem sido justo para os contribuintes norte-americanos"

Trump na NATO: "Isto não tem sido justo para os contribuintes norte-americanos"

Na primeira visita à sede da NATO em Bruxelas, o presidente dos Estados Unidos instou os demais países da aliança a pagarem o que devem e a assumirem um novo objectivo de gastos em defesa e segurança. Perante as ameaças actuais, 2% do PIB é "insuficiente".
 Trump na NATO: "Isto não tem sido justo para os contribuintes norte-americanos"
Reuters
Eva Gaspar 25 de maio de 2017 às 16:48

O presidente norte-americano Donald Trump fez nesta quinta-feira, 25 de Maio, um renovado apelo aos países europeus para que paguem o que devem à NATO, mas também para que assumam doravante um objectivo mais ambicioso para os gastos em defesa e segurança, argumentando que, perante as ameaças actuais, destinar 2% do PIB para este fim é "insuficiente".

Falando no quadro de um encontro ao mais alto nível da NATO, que coincidiu com a sua primeira visita ao quartel-general da Aliança Atlântica, em Bruxelas, Trump disse ter "falado muito claro" com os seus parceiros sobre dinheiro, afirmando que 23 dos 28 países-membros ainda não estão a pagar o que deviam; que muitos têm dívidas do passado; que se todos tivessem gasto 2% do PIB, a NATO teria hoje mais 119 mil milhões de dólares para operações de defesa colectiva; e que mesmo esses 2% serão "insuficientes" para reforçar e modernizar as forças de segurança aliadas. "Os 2% são mesmo o mínimo para enfrentar as ameaças muito reais e terríveis que enfrentamos", argumentou, antes de lamentar: "Isto não tem sido justo para os contribuintes norte-americanos".


Sobre a instituição que chegou a apelidar de "obsoleta", Donald Trump citou a Rússia entre os territórios onde considera disse residirem as maiores ameaças, mas centrou o seu discurso no atentado de Manchester e no terrorismo. "Temos de ser duros, fortes e vigilantes" e "denunciar e acabar com estes assassinos e extremistas, com estes falhados". "Onde quer que eles estejam, vamos de correr com eles e nunca mais os deixaremos entrar", afirmou.


Trump referia-se ao compromisso, assumido na cimeira da NATO no País de Gales, em 2014, de, no espaço de uma década, todos os países aliados destinarem 2% do PIB a despesas militares. Escreve a Lusa que, de acordo com os dados do relatório de 2016 da Aliança Atlântica, publicado em 13 de Março último, no ano passado apenas cinco aliados atingiram ou ultrapassaram o objectivo acordado, designadamente Estados Unidos (3,61%), Grécia (2,36%), Estónia (2,18%), Reino Unido (2,17%) e Polónia (2,01%).

Nesta lista, Portugal surge na 12.ª posição entre os 28 Estados-membros, ao ter consagrado 1,38% do PIB a despesas na área da defesa, o que significa um aumento face a 2015 (1,32%) e a 2014 (1,31%), mas aquém dos valores registados entre 2009 (1,53%) e 2013 (1,44%).


A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Donnald Duck Há 3 semanas

O gajo ate têm razao por isso a melhor coisa e acabar, com esta arma Amerdicana, a Nato.Pois sempre foi uma arma Amerdicana em territorio da UE, comandada pelos Americaes. E para que serve esta porcaria se nao para fazer guerras e vender as Armas Amerdicanas. Queremos paz e nao Morte.

Anónimo Há 1 dia

olha este badalhoco a querer responsabilizar, quando passa informações aos seus "arqui inimigos" foge aos impostos , rua

anonimo Há 1 dia

Não é para os portugueses darem 1,38 do PIB à NATO para esta comprar armas aos Estados Unidos.Se fosse aplicado na Saúde , esse dinheiro resolveria muitos problemas e a dívida pública baixava.% do PIB nos transportes e comunicações 0.4, na agricultura e afins 0.2.

Anónimo Há 1 dia

Pois eu pedia as contas ao Putin e perguntava quanto custa passarmos para o Pacto de Varsóvia? É concorrência não é? No final... o DT tem razão... não é justo porque só eles (contribuintes) é que pagam... eu estou isento...

pub
pub
pub
pub