União Europeia  UE e México decidem acelerar negociações para ampliar acordo comercial

UE e México decidem acelerar negociações para ampliar acordo comercial

UE e México sublinham a defesa de "uma cooperação aberta à escala global", numa altura em que se assiste a "um aumento preocupante do proteccionismo em todo o mundo".
 UE e México decidem acelerar negociações para ampliar acordo comercial
Negócios com Lusa 01 de fevereiro de 2017 às 13:00
A União Europeia e o México acordaram  "acelerar o ritmo das negociações" para modernizar e ampliar o acordo de comércio livre que celebraram em 2000, tendo agendado as duas próximas rondas negociais para Abril e Junho próximos, anunciou a Comissão Europeia nesta quarta-feira, 1 de Fevereiro.
 
Numa nota divulgada por Bruxelas, o executivo comunitário anunciou que o calendário das próximas rondas de negociações (de 3 a 7 de Abril e de 26 a 29 de Junho) foi acertado entre a comissária europeia do Comércio, Cecilia Malmstrom, e o ministro da Economia mexicano, Ildefonso Guajardo, numa conversa telefónica.
 
No âmbito deste novo calendário, UE e México acordaram também reunir-se na Cidade do México entre as negociações de Abril e Junho, "a fim de fazer o ponto da situação e encorajar os progressos dos negociadores".
 
Em 2016, UE e México iniciaram negociações para actualizar o Acordo de Comércio Livre existente, que data de 2000, e que, segundo a Comissão Europeia, precisa de ser "modernizado", para ter maior "amplitude e alcance".
 
Sem nunca mencionarem a nova política proteccionista defendida pela administração norte-americana liderada por Donald Trump, Malmstrom e Guajardo sublinham, numa declaração conjunta, a necessidade de UE e México, "lado a lado, enquanto parceiros com posições semelhantes", defenderem "a ideia de uma cooperação aberta à escala global", numa altura em que se assiste a "um aumento preocupante do proteccionismo em todo o mundo".
 
De acordo com dados da Comissão, entre 2005 e 2015, o fluxo anual de mercadorias entre UE e México aumentou para mais do dobro, passando de 26 para 53 mil milhões de euros, no âmbito do acordo de comércio livre em vigor.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
investidor1 02.02.2017

https://goo.gl/forms/aPjvpQFDIwZ1Pphl1

Obrigado!

pub