Opinião 10 opiniões: O que esperar de 2018

10 opiniões: O que esperar de 2018

10 opiniões publicadas no Negócios sobre o que esperar de 2018: Pedro Siza Vieira, Alfredo Cuevas, Maria João Rodrigues, Fernando Faria de Oliveira, Paulo Trigo Pereira, Nuno Fernandes, João Cerejeira, Carlos Jalali, António Bento Gonçalves, J. G. Xavier de Basto.
Negócios 01 de janeiro de 2018 às 13:00
Capitalizar para investir 
Em 2017, Portugal registará o maior crescimento económico desde o início do século, apoiado no crescimento das exportações, do consumo privado e do investimento empresarial. Nos próximos anos, o desafio com que o país se confrontará será o da sustentação deste crescimento, por forma a assegurar a continuada convergência com a União Europeia. 
Pedro Siza Vieira

Um bom ano para a economia portuguesa
A economia portuguesa fez um percurso notável este ano, mas há ainda muitos desafios pela frente. A perseverança é o segredo do êxito. 
Alfredo Cuevas

A reforma da Zona Euro vai mesmo avançar? 
Finalmente há uma proposta detalhada de reforma da União Económica e Monetária. Proveio da Comissão Europeia a 6 de Dezembro e aterrou no Parlamento Europeu e na EuroCimeira de 15 de Dezembro. Isto depois de sete anos de crise penosa e múltiplos relatórios propondo soluções, que encalharam em vários escolhos políticos. Será desta que a reforma da Zona Euro vai avançar? 
Maria João Rodrigues

Os desafios dos bancos para 2018 
Fernando Faria de Oliveira, presidente da APB, perspectiva o novo ano.

Mário Centeno I e II 
O ano de 2018 vai ser difícil e as eleições de 2019, tornarão ainda mais fortes as pressões para aumentos de despesa nesse ano. Mário Centeno II, poderá dar uma grande ajuda a Mário Centeno I, nessas negociações e no OE2019, se conseguir ajudar a uma solução europeia para as dívidas públicas excessivas. 
Paulo Trigo Pereira

Fusões e aquisições ou uma forma de garantir a própria sobrevivência
Num mercado global, fortemente competitivo e dinâmico, as fusões e aquisições sempre se assumiram como um instrumento estratégico para a obtenção de vantagens competitivas e para a consolidação e crescimento das empresas.  
Nuno Fernandes

Salário mínimo e redução do desemprego
Um dos factos mais surpreendentes da evolução do mercado de trabalho nos anos mais recentes foi, sem dúvida, a forte descida da taxa de desemprego.
João Cerejeira

O último ano da geringonça? 
O que mudou no sistema partidário com o XXI Governo Constitucional de António Costa? Formalmente, muito pouco. 
Carlos Jalali

Reforma florestal 2017 – o início de uma nova realidade ou mais uma oportunidade perdida? 
Os espaços florestais, tal como todos os territórios, são uma construção social, lugar de confronto, de tensões, de conflitos de uso e de apropriação e transformação, ou seja, estão sujeitos a múltiplos interesses, na sua maioria legítimos, mas muitas vezes antagónicos, pelo que, qualquer reforma se afigura de difícil aceitação e implementação.

Pessimismo ou optimismo na luta contra a evasão fiscal internacional? 
Os pequenos passos que se vão dando no sentido de uma fiscalidade mais justa, à escala internacional, valem a pena e fazem crer que as coisas irão melhorando, a pouco e pouco, sem nunca porventura chegarem à perfeição que mentes mais radicais certamente almejam. 



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 2 semanas

Nos meus tempos de juventude juntavamos a volta de 20 colegas aos sabados e iamos comprar frangos.quando eles vinham para a mesa improvisada era ver quem mais espetava os dentes neles,de seguida iamos escabolhar os osso ate a ultuma molecula.Alguma coisa me diz q estamos perto dessa situacao,veremos