Economia 100 mil portugueses podem abandonar o país em 2012

100 mil portugueses podem abandonar o país em 2012

O número de jovens na população activa está a diminuir em Portugal. Os especialistas apontam a emigração como justificação do fenómeno. 100 mil pessoas abandonaram o país em 2011 e o fenómeno deverá repetir-se 2012.
Rita Dias Baltazar 22 de outubro de 2012 às 11:24
José Cesário, secretário de estado para as comunidades afirmou que se assiste a um aumento da emigração para países fora da Europa como Angola, Brasil e Moçambique, de acordo com a TSF. Quanto à emigração para dentro da União Europeia (UE), na opinião do executivo português estará a haver uma diminuição por haver também um decréscimo do número de empregos nestes países.

O secretário de estado disse não acreditar que tenha havido um aumento da emigração em 2012, precisamente pela redução dos postos de trabalho disponíveis na UE. José Cesário admite, porém, que se possam repetir os números de 2011, 100 mil saídas, segundo as estimativas do Governo.

Entre Junho de 2011 e Junho de 2012, terão deixado a população activa portuguesa 65 mil jovens com idades entre os 25 e os 34 anos, o que corresponde a uma descida de 4,7% da população activa. 44 mil das 65 mil saídas registadas só no primeiro semestre de 2012, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), referidos pela TSF.

A diminuição observada foi maior entre os homens. O fenómeno relaciona-se com a emigração que tende a atingir mais o sexo masculino, que foi também o mais afectado pelo desemprego, explicou Jorge Malheiros do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa, segundo a mesma Rádio.

Os números indicam que a emigração esteja a ocorrer, maioritariamente, em faixas etárias até aos “30 e poucos anos”, segundo o mesmo especialista. Pode observar-se também que o fenómeno atinge muitos jovens licenciados que “nem tentam cá”, ao concluir o ensino superior, abandonam logo o país.




A sua opinião35
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 23.10.2012

Voltamos aos anos 1980's.Agora so nos falta tambem nos penalizar com impostos estando fora do pais e nao nos garantir as "poucas " conquistas nas leis do Emigrante. Amigos Emigrantes lutemos por o nosso pais mais uma vez, para muitos de nos ja sera a ultima vez, para os que Emigran hoje esta e a primeira vez e nao ser aa ultima...
Um orgulhoso Portugues que esta fora desde 80"..

A MENTE É PERIGOSA 23.10.2012

bom, vou emigrar mas nem uma migalha vem para cá...fica tudo lá na nova casa, novo pais...sem remosos, sem pena, viagem num só sentido...

Anónimo 22.10.2012

O montante que pagou à CGA não serviu apenas para a sua reforma... Serviu para a dos seus pais também.
Não se queixe muito porque a sua reforma foi calculada tendo por base os 10 melhores anos e não como agora, toada a carreira contributiva...
Não se queixe de barriga cheia pois os seus filhos não vão ter nada...

M. Da Silva 22.10.2012

Afinal, quem é ignorante? O povo ou o(s) governo(o)?
Vou tentar explicar:
1. Paguei durante 40 anos para uma institução à época chamada de "CAIXA DE PREVIDÊNCIA";
2. Era expectável que esse montante (descontos) servicem de base para o cálculo da minha reforma;
3. Pelo meio vieram uns DESgovenantes que geriram/gastaram mal esses tostões;
4. Hoje, cortaram-me na reforma porque, AINDA POR CIMA, esses DESgovernantes GASTARAM MAIS DO QUE PODIAM;
5. QUEM ME ACODE ??? ONDE ESTÁ A JUSTIçA PARA ESSES LADRÕES ???

ver mais comentários
pub