Ambiente 10.146 fogos consumiram 141 mil hectares este ano, mais 26 mil face a 2016

10.146 fogos consumiram 141 mil hectares este ano, mais 26 mil face a 2016

Os 10.146 incêndios florestais registados este ano consumiram 141 mil hectares, mais 26 mil hectares do que no ano anterior, segundo dados provisórios divulgados esta quarta-feira pela Proteção Civil.
10.146 fogos consumiram 141 mil hectares este ano, mais 26 mil face a 2016
Movenoticias
Lusa 16 de agosto de 2017 às 15:41
Este ano foram consumidos 141 mil hectares, segundo dados provisórios do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) que não englobam as últimas ocorrências, um número muito superior à média da última década: 44.960.

Relativamente ao número de ocorrências, Rui Esteves apontou que, até hoje, foram registadas 10.416, mais 2.575 do que no ano passado.

Em relação à última década, registou-se "um aumento no número de ocorrências" de fogos, passando de 10.100, em 2007, para 10.416, em 2017, e por consequência "uma maior área ardida", disse o comandante nacional da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Rui Esteves, no 'briefing' semanal sobre os incêndios, em Carnaxide, Lisboa.

"Em 2016, com 7.571 ocorrências tínhamos uma área ardida de 115 mil hectares, em 2017 temos uma área ardida de 141 mil hectares", sublinhou o comandante nacional.

Rui Esteves observou ainda que o índice de severidade meteorológica em 2017 tem valores que apenas foram superiores em 2005.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IMPA), este "é o terceiro ano mais severo dos últimos 15 anos".

"A severidade meteorológica" não é "apenas na temperatura, é também no índice de secura dos combustíveis e também no vento, que quando tem rajadas fortes provoca nos incêndios um desenvolvimento muito mais rápido e eruptivo", explicou Rui Esteves.

Segundo o índice meteorológico de seca, em Julho, 16,5% do território estava em "seca moderada", 69,6% em "seca severa" e 9,2% em seca extrema.

Rui Esteves comentou que "um grande número de incêndios, com um índice de secura dos combustíveis muito baixo, provoca claramente" a situação registada nos últimos dias a nível de incêndios.

Em termos de previsão meteorológica, o comandante nacional afirmou que se prevê uma subida de temperatura a partir de quinta-feira, um vento sempre predominante do quadrante noroeste e uma humidade relativa no interior sempre abaixo de 20%, "o que, naturalmente, a acontecer uma ocorrência nessas zonas, será muito mais complexa".

Segundo o responsável, "esta situação vai trazer um agravamento da classe de risco de incêndio florestal para muito elevado ou mesmo máximo" até sexta-feira.

Perante esta situação, Rui Esteves apelou à população para ter "um comportamento assertivo e não um comportamento de risco" quando estiver "no interior da floresta".

Questionado sobre a actuação do sistema de redes de emergência SIRESP, o comandante afirmou que não compete à ANPC, que é utilizadora do sistema, "fazer estatísticas e prestar contas sobre o SIRESP".

"O que aconteceu na semana passada em relação ao SIRESP é que nalgumas situações em que houve interrupções foram colocadas estações móveis para superar essas situações", adiantou.

Contudo, salientou, entre 8 e 16 de Agosto "não houve situações complexas do ponto de vista do SIRESP".



A sua opinião20
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 5 dias

Um sitio de MERD*A ATRASADO IMBECILIZADO e MUITO TROGLODITA E MAL FREQUENTADO!
Deveria fazer corar de VERGONHA a UE !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

10.146 INCÊNDIOS ?!?!?
Numa CAGADEIR*A tão pequena ?!?!?!?!?!!??

SITIO ASQUEROSO!

oluapaxe Há 5 dias

Obrigado costa, obrigado fifi de cascais! Mais um recorde. Mais uma vez vejo que em pedrogão a culpa era da trevoada seca e que até identificam a árvore só não divulgaram o nome da árvore, na Madeira ainda não sabemos se foi um platano ou um carvalho se calhar foi eucalipto, agora em vila de rei acharam mais um culpado a criminalidade organizada. Moral da história a culpa é sempre dos outros dito pela boca dos mesmo. Para min isto não é criminalidade organizada mas sim incompetência organizada.

Anónimo Há 5 dias

É uma injustiça que as chamas que vemos todos os dias na tv, queimando inocentes, não sejam localizadas em certos locais onde poderiam fazer a limpeza de que o país tanto precisa. É obsceno, nojento e horrendo aquilo que estamos a assistir perante a evidente e revoltante hipocrisia, incompetência/inércia dos poderes instalados.

Anónimo Há 6 dias

E para o ano arde o resto, acabasse o SIRESP, ANPC, os bombeiros, a Proteção Sivil, os contratos milionários dos aviões, deixa de haver eucaliptos que eram os responsáveis pelos incêndios, os milhões que se vão poupar.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub