Mundo 128 países da ONU condenam decisão norte-americana sobre Jerusalém

128 países da ONU condenam decisão norte-americana sobre Jerusalém

O reconhecimento dos Estados Unidos de Jerusalém como capital de Israel foi declarado "nulo e sem efeito" por 128 países-membros da Assembleia-geral da ONU numa votação que decorreu hoje na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque.
128 países da ONU condenam decisão norte-americana sobre Jerusalém
Lusa 21 de dezembro de 2017 às 18:13

Os 128 países votaram a favor de uma resolução, sem carácter vinculativo, que foi proposta pelo Iémen e pela Turquia, em nome de um grupo de países árabes e da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI), e que é contra o reconhecimento dos Estados Unidos de Jerusalém como capital de Israel.

 

Entre os 193 países-membros da Assembleia-geral da ONU, nove votaram contra a resolução e 35 optaram pela abstenção.

 

Com base nos números divulgados, a votação contou com a participação de 172 países-membros da Assembleia-geral da ONU.

 

Antes da votação da resolução, a embaixadora dos Estados Unidos junto da ONU, Nikki Haley, reiterou as advertências assumidas por Washington nos últimos dias aos países com assento na Assembleia-geral das Nações Unidas.

 

"Os Estados Unidos vão lembrar-se deste dia em se viram ridicularizados perante a Assembleia-geral pelo mero facto de exercer o seu direito de Estado soberano", disse Haley.

 

"Vamos lembrarmo-nos quando pedirem uma vez mais para fazermos a maior contribuição (financeira) para as Nações Unidas", reforçou.

 

Durante o debate sobre a resolução, o embaixador de Israel junto das Nações Unidas, Danny Danon, garantiu que o seu país "nunca será expulso de Jerusalém".

 

"Nenhuma resolução da Assembleia-geral vai expulsar-nos de Jerusalém", declarou o representante israelita.

 

Esta votação acontece depois de Washington ter recorrido, na segunda-feira, ao seu direito de veto no Conselho de Segurança para impedir a adopção de uma resolução que também condenava a decisão norte-americana.

 

Ao contrário do que se passa no Conselho de Segurança (os cinco membros permanentes do órgão têm direito de veto), na Assembleia-geral da ONU não há direito de veto e os textos adoptados não são vinculativos.

 

Trump anunciou a 6 de Dezembro que os Estados Unidos reconhecem Jerusalém como capital de Israel e que vão transferir a sua embaixada de Telavive para Jerusalém, contrariando a posição da ONU e dos países europeus, árabes e muçulmanos, assim como a linha diplomática seguida por Washington ao longo de décadas.

 

A questão de Jerusalém é uma das mais complicadas e delicadas do conflito israelo-palestiniano, um dos mais antigos do mundo.

 

Israel ocupa Jerusalém oriental desde 1967 e declarou, em 1980, toda a cidade de Jerusalém como a sua capital indivisa.

 

Os palestinianos querem fazer de Jerusalém oriental a capital de um desejado Estado palestiniano, coexistente em paz com Israel.

 

Jerusalém é considerada uma cidade santa para cristãos, judeus e muçulmanos.

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Bobadela Há 3 semanas

Para a minha religião a Bobadela é cidade santa. E agora toca a respeitar, ok?

Mais uma vez a prepotência, é condenada Há 3 semanas

e, a chantagem não chega para os que pensam serem donos deste mundo. O ridículo caiu sobre Trump a os que o rodeiam. Pobre USA que não merecia ter alguém do calibre deste individuo

pub