Mercado de Trabalho 38% dos jovens desempregados estão dispostos a emigrar para encontrar trabalho

38% dos jovens desempregados estão dispostos a emigrar para encontrar trabalho

A maioria dos portugueses entre os 15 e os 34 anos que estão desempregados assumem que estariam dispostos a mudar de casa para conseguir ter emprego. 38% assume mesmo que estaria disposto a mudar de país.
38% dos jovens desempregados estão dispostos a emigrar para encontrar trabalho
Bruno Simão/Negócios
Nuno Aguiar 16 de Dezembro de 2016 às 13:41

Os números publicados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que os jovens portugueses enfrentam ainda dificuldades no mercado de trabalho, o que os leva a considerar a emigração. Isso é especialmente verdade entre os mais qualificados.

 

No segundo trimestre de 2016 havia 2.284 mil pessoas entre os 15 e os 34 anos a residir em Portugal. Desses, mais de metade (51,8%) estão empregados, enquanto 38% são inactivos (são estudantes ou desencorajados, por exemplo). Esta divisão aponta ainda para que um em cada dez jovens esteja desempregado, o que significa que a faixa etária entre os 15 e os 34 anos tem uma taxa de desemprego de 16% (calculada face à população activa).

Os técnicos do INE notam que este desemprego de 16% vai diminuindo com a idade. Ou seja, "é mais elevada no subgrupo dos 15 aos 24 anos (26,9%), diminuindo para 12,3% no subgrupo dos 25 aos 34 anos". "A menor taxa de emprego, aliada à elevada taxa de desemprego que se observa principalmente nos jovens dos 15 e aos 24 anos, sugere uma dificuldade acrescida no acesso ao mercado de trabalho num grupo etário em que a maioria (73,4%) ainda se encontra a estudar ou em formação."

Olhar para a relação destas faixas etárias com o mercado de trabalho é relevante porque são o grupo que "constitui, ou constituirá brevemente, a força de trabalho, num mercado de crescente exigência de competências", como sublinham a publicação do INE.

Perante as dificuldades que ainda existem a encontrar trabalho, cerca de 42% assume que estaria disposto a mudar de casa para arranjar um emprego. Mas esta percentagem abrange todos os jovens. Se olharmos apenas para os desempregados, existe maior disponibilidade para mudar. Quase dois terços dos desempregados entre os 15 e os 34 anos mudariam de casa se dependesse disso encontrar emprego. 27% só aceitaria mudar-se para outra residência dentro de Portugal, mas 38% admitiria emigrar.

 

Os mais qualificados são aqueles que mais facilmente sairiam de casa e do país. "Considerando o nível de escolaridade, aqueles com ensino superior foram os que revelaram maior disponibilidade para mudar de residência (71,7%), sendo que quase metade (42,6%) disse estar disposto a fazê-lo para qualquer país", refere o INE. Ainda assim, importa referir que, até agora, apenas um em cada dez jovens foi obrigado a mudar de casa devido a um novo trabalho.

 

Mesmo os que estão empregados, muitos têm de lidar com vínculos precários. Dos 1.092 mil trabalhadores por conta de outrem entre os 15 e os 34 anos, há cerca de 450 mil (41%) que têm contrato a prazo ou outro tipo de contrato que não envolva estar no quadro da empresa.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 6 dias


Os ladrões de esquerda

PS - e seus apoiantes - ROUBAM A VIDA A 500.000 TRABALHADORES

EMIGRAÇÃO FORÇADA

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do Socrates! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pelo TC, para sustentar os privilégios dos FP e CGA.

(claro que os xux.as e FP tentam esconder esta realidade)


comentários mais recentes
CharlesOa Há 2 semanas

crafting A excellent temperament profile for free online dating sites

the aim of subscribing to free internet dating is to locate a potential girlfriend. in spite of that intended for these websites to work, make sure you effortlessly area of interest in your. tough regarding guests within the in

Anónimo Há 6 dias

Muitos emigram hoje porque Portugal teve tanta gente a trabalhar tanto, tanto e ao longo de tantos anos, que na sua azáfama laboral não conseguiram parar de trabalhar antes de trabalharem o país todo. Portugal, também já conhecido internacionalmente como Poortugal, está assim irremediavelmente trabalhado por muitos e maus anos.

Anónimo Há 6 dias


Comemorações Oficiais

Ladrões FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

GORDURAS DO ESTADO

As Gorduras & Mordomias do Estado são, na sua maioria, os salários e pensões da FP.

Valor anual das pensões e salários da FP = 30 000 milhões de euros.

TOCA A CORTAR NESTES LADRÕES!


Anónimo Há 6 dias


Ladrões FP & CGA SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

Por que razão o cálculo da pensão da sua CGA era mais generoso do que o cálculo da pensão do regime geral?

Porquê?

Por que razão uns tinham reforma de filhos e outros reforma de enteados?

Esta discrepância logo à partida é que é razão para indignação, meu caro amigo.

A equiparação prometida é da mais elementar justiça.

Por que razão trabalha V. Exa. menos 5 horas semanais do que os trabalhadores dos sectores privados?

Pior: além de trabalhar menos horas, ainda tem direito a mais dias de férias.

Porquê?

Que razões podem justificar estes privilégios injustificáveis?

Que aritmética laboral pode justificar esta diferença entre V. Exa. e a restante população?

Que equidade pode existir aqui?

ver mais comentários
pub