Função Pública 4.152 precários no Estado pediram para regularizar situação

4.152 precários no Estado pediram para regularizar situação

No espaço de uma semana, mais de 4.000 trabalhadores precários da Função Pública pediram para serem integrados no Estado, adiantou o ministro Vieira da Silva.
4.152 precários no Estado pediram para regularizar situação
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 17 de maio de 2017 às 12:53
O ministro do Trabalho, da Solidariedade e Segurança Social anunciou esta quarta-feira, 17 de Maio, que 4.152 trabalhadores da Administração Pública em situação precária já entregaram o requerimento para que seja analisada a sua situação contratual.

Desde 11 de Maio que os trabalhadores na administração pública e no sector empresarial do Estado podem pedir, através de um requerimento, a análise da sua situação laboral, para que, caso se conclua que estão a suprimir necessidades permanentes, possam entrar nos quadros.

Na comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social, onde está a ser ouvido, o ministro afirmou que "o processo está a decorrer nos termos do previsto".

Já "foram entregues 4.152 requerimentos por parte de trabalhadores da administração pública que se consideram em situação de trabalho precário", avançou Vieira da Silva.

Adiantou ainda que "estão em fase de constituição as comissões de avaliação bipartida com a presença dos ministérios responsáveis por este processo e das estruturas sindicais".

Estão também em fase de nomeação final os membros destas comissões", disse o ministro na sua intervenção inicial na comissão parlamentar.

Os trabalhadores precários na administração pública e no sector empresarial do Estado podem pedir, até 30 de Junho, a avaliação da sua situação contratual e a eventual entrada nos quadros, o que só acontecerá em 2018, tendo o Governo a última palavra, através um requerimento disponível na Internet, integrado no Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração Pública e no sector empresarial do Estado, o PREVPAP).

De fora ficam os professores, por estarem abrangidos por um concurso de vinculação extraordinária, e os trabalhadores da administração pública, uma vez que as autarquias locais "vão ter procedimentos ajustados às suas especificidades" na regularização extraordinária de vínculos precários.

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Y Há 5 dias

Faço votos para que estabilizem as vossas vidas, que possam comprar uma casa, que possam constiuir familia com equilibrio. Um bem haja

Lurdes Há 5 dias

Invejosos que querem ver portugueseses na precariedade é mato. Enfim é trampa por todo o lado. Quem deseja precariedade para os portugueses é uma BESTA.

Anónimo Há 5 dias

quando no privado fizerem fiscalizaçoes as ilegalidades varias eu vou esperar por igual tratamento

pub
pub
pub
pub