Justiça 537 estrangeiros barrados em Portugal por razões de segurança

537 estrangeiros barrados em Portugal por razões de segurança

Em 2016 as fronteiras portuguesas impediram a entrada no País na sequência de alertas de segurança lançados no sistema de informação Shengen, escreve o Diário de Notícias esta quarta-feira, 12 de Abril. Segundo o jornal, circulam 830 mil no espaço Schengen procurados pelas autoridades.
537 estrangeiros barrados em Portugal por razões de segurança
Reuters
Negócios 12 de abril de 2017 às 10:20

Das mais de meio milhar de pessoas impedidas de entrar no País em 2016, 443 era de países terceiros, com antecedentes criminais, tinham sido expulsos de estados Shengen, eram emigrantes ilegais ou estavam sujeitos a ordens de não permanência ou admissão nesta zona de livre circulação, escreve o Diário de Notícias na sua edição desta quarta-feira, 12 de Abril.

 

A notícia, que faz a manchete do jornal, acrescenta aí que os restantes 94 impedidos de entrar no país eram alvo de mandato de detenção europeu e foram detidos e extraditados.

 

Em Portugal este controlo é efectuado sobretudo pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) em aeroportos, portos e postos terrestres instalados nos Centros de cooperação Policial e Aduaneira que integram autoridades portuguesas e espanholas em Quintanilha, Tuy, Vilar formoso, Caia e Castro Marim.

 

O Sistema de Informação Shengen (SIS) permitiu ainda a detecção de 424 estrangeiros que eram procurados no âmbito de processos judiciais instaurados noutros países europeus, sendo que, nesse caso, não há propriamente proibição de entrada no País.

 

Foram igualmente referenciados nas fronteiras nacionais 960 estrangeiros alvo de vigilância "discreta e especial" a pedido de outros estados-membros, acrescenta o Diário de Notícias.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub