Finanças Públicas  Mapa: Portugal com a quarta maior dívida do mundo

Mapa: Portugal com a quarta maior dívida do mundo

A dívida mundial não pára de crescer – já é o dobro do PIB anual – e o problema é ainda mais preocupante em Portugal. Veja o mapa da dívida e do défice das principais economias mundiais.

128,4% do PIB em 2016 e 128,2% do PIB em 2017. São estas as estimativas avançadas esta semana pelo Fundo Monetário Internacional para a dívida pública de Portugal.

 

A previsão até aponta para uma descida face ao peso da dívida pública em Portugal no ano passado (129% do PIB em 2015). E se as previsões se confirmarem, este será o segundo ano consecutivo de descida da dívida, o que em Portugal já não acontecia há muitos anos.

 

Apesar de a trajectória descendente ser uma novidade positiva, o elevado valor do peso da dívida pública na economia é notório, sobretudo quando se compara com os restantes países.

 

No lote das 35 economias desenvolvidas que foram seleccionadas pelo FMI, Portugal surge com a quarta maior dívida. O Japão lidera (com uma dívida que chegará a 253% do PIB em 2017), sendo que a Grécia e também Itália surgem com um registo pior do que Portugal.

 

As projecções do FMI para um horizonte temporal mais alargado (2021), apontam para que a dívida pública em Portugal continue a descer nos próximos anos, mas a um ritmo lento, já que dentro de cinco anos Portugal estará no pódio das economias desenvolvidas mais endividadas do mundo. Segundo as projecções do FMI, a dívida pública em Portugal estará em 125,9% do PIB, já acima do registado pela Itália (125% do PIB).

 

Se as previsões apontam para um ligeiro decréscimo na dívida pública em Portugal nos próximos anos, os valores actuais devem-se um forte crescimento no passado mais recente. Há menos de 10 anos o peso da dívida na economia era quase metade do actual – situava-se em 68,4% do PIB em 2007. No mesmo ano a média das economias desenvolvidas era de 71,7% e este ano deverá situar-se em 108,6% do PIB. Na Zona Euro passou de uma média de 64,9% do PIB para 91,7% do PIB.      

 

Veja no mapa em baixo as estimativas do FMI para a dívida pública e o défice, em 2016 e 2017, de um conjunto de países seleccionados.

 



Mundo deve o dobro daquilo que produz anualmente

 

O elevado endividamento está longe de ser um problema exclusivo de Portugal e o relatório do FMI mostra-o de forma clara.

 

Nunca as famílias, empresas e Estados deveram tanto dinheiro como agora. O sector não financeiro tem uma dívida global equivalente a 225% do PIB mundial. São 152 biliões de dólares (sim, com "B") ou 136 biliões de euros. Tomando como referência o actual PIB nacional, Portugal precisaria de mais de 750 anos para produzir o mesmo.

O relatório do FMI é acompanhado por um artigo escrito por Vítor Gaspar, director do departamento de Assuntos Orçamentais, e Marialuz Moreno Badia. Os autores notam que esta é a primeira vez que se conhece a dimensão da dívida não financeira do mundo inteiro. "O quadro não é bonito", admitem. Dos 152 biliões de dólares, 100 biliões estão no sector privado: famílias e empresas. O restante é dos Estados.

O elevado endividamento dos agentes económicos constitui um dos principais travões ao crescimento económico, especialmente preocupante nas economias avançadas, onde alguma dívida privada migrou para o sector público. "Embora não haja consenso sobre a partir de quando [a dívida] é excessiva, os actuais níveis de endividamento, 225% do PIB mundial, estão em máximos históricos", lê-se no Fiscal Monitor, publicado esta quarta-feira, 5 de Outubro. "As implicações negativas de dívida privada em excesso para o crescimento e estabilidade financeira [sublinham] a necessidade de desalavancagem em alguns países."

 

O problema é que o crescimento débil torna este ajustamento muito desafiante. Desalavancar agora tornará um crescimento fraco ainda mais frágil.

Os técnicos do Fundo notam que, em média, os processos de redução do endividamento duram cinco anos. No entanto, a actual desalavancagem, iniciada em 2009, está a demorar muito mais tempo. Até agora, a diminuição dos rácios de dívida privada representa apenas um terço dos ajustamentos passados. O principal responsável é, como já foi referido, o crescimento.

O FMI recomenda que o endividamento excessivo seja resolvido com políticas de promoção do crescimento, especialmente para a Zona Euro, que tem avançado lentamente na resolução dos problemas na banca. As soluções podem variar, dependendo da margem orçamental de cada país, mas devem envolver soluções desenhadas pelo Governo, como subsídios para credores para aumentarem as maturidades ou criar veículos de compra de activos. Até ao final deste ano, o Governo português deverá apresentar uma solução para o malparado dos bancos.




A sua opinião46
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 08.10.2016

Que se lixe a próxima geração que a pague! Viva a geringonça, viva sobretudo o PS que 3 vezes nos enviou para o descalabro. Viva o maior assassino económico e financeiro do país, José Sócrates que empenhou o país até aos cabelos. Não feliz ainda se encheu de dinheiro sujo, com os amigos.
Apenas gente muito estúpida e ignorante, por mera clubite fanática, tolera esta gente a governar este país.

comentários mais recentes
Joao Dias Há 4 semanas

Povo estúpido.

José Joaquim Silva Há 4 semanas

O grande problema está na classe política que tivemos/temos que está lá para servir-se e não para representar a NAÇÃO! Para que é necessário um Parlamento com tanta gente? Para que servem tantos Ministros, Secretários de Estado, adjuntos, Secretárias, motoristas, milhares de viaturas (Estado, Câmaras, Juntas, etc...) Enfim, Também é a função do FMI pintar um quadro tenebroso para emprestar mais dinheiro!!!

Anónimo Há 4 semanas

E estes comunas da geringonça a aumenta-la ainda mais! Com eles ainda havemos de chegar ao primeiro lugar, é uma mera questão de tempo!

Mais Estado? Não Obrigado. Há 4 semanas

Esta é a herança que a nossa classe política deixa às futuras gerações. Um fardo muito pesado e uma garantia para o futuro: mais impostos, mais taxas e taxinhas.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub