União Europeia Acordo de saída será pior do que ser membro da UE, advertem Cazeneuve e Juncker

Acordo de saída será pior do que ser membro da UE, advertem Cazeneuve e Juncker

O primeiro-ministro francês, Bernard Cazeneuve, e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, advertiram esta segunda-feira o Reino Unido para o facto de que os termos de qualquer acordo de saída da União Europeia (Brexit) não serão melhores do que ser Estado-membro.
Acordo de saída será pior do que ser membro da UE, advertem Cazeneuve e Juncker
Neil Hall/Reuters
Lusa 06 de fevereiro de 2017 às 21:09

Cazeneuve acrescentou que o Reino Unido deve discutir o seu acordo de divórcio do bloco europeu, incluindo o pagamento de uma conta de saída que a UE estima em 60 mil milhões de euros, antes que negociações sobre uma futura relação bilateral possam sequer ser iniciadas.

 

"Primeiro, temos de discutir as condições em que se fará a saída e fazê-lo dentro do prazo estabelecido para negociação, sem perder tempo", disse o chefe do Executivo francês depois de se reunir com Juncker em Bruxelas.

 

Tal deverá ser feito, prosseguiu Cazeneuve, "com o objectivo de assegurar que os interesses da UE ficam defendidos e que um Estado que abandona a UE não pode beneficiar de um regime melhor que o que existe entre Estados-membros".

 

Juncker, o ex-primeiro-ministro do Luxemburgo que dirige o órgão executivo do bloco comunitário, fez uma advertência semelhante a Londres.

 

"Estamos de acordo num ponto central: que o acordo que um dia será oferecido ao Reino Unido não poderá ser tão vantajoso" como ser Estado-membro de pleno direito da UE, frisou.

 

Por sua vez, o novo presidente do Parlamento Europeu (PE), Antonio Tajani, defendeu que os eurodeputados "merecem participar em todas as decisões" sobre o Brexit.

 

O negociador do Brexit no PE, Guy Verhofstadt, alertou que o plenário, que tem o voto final em qualquer acordo de 'Brexit', pode vetar uma solução que seja demasiado branda ou generosa.

 

A primeira-ministra britânica, Theresa May, comprometeu-se a accionar o Artigo 50.º do Tratado de Lisboa até ao final de Março, data a partir da qual os negociadores terão dois anos para alcançar um acordo antes de o Brexit se concretizar.

 

Theresa May declarou querer que o Reino Unido mantenha o maior acesso possível ao mercado único europeu, reduzindo, ao mesmo tempo, a imigração de países da UE, mas Bruxelas respondeu que May não pode escolher aquilo com que quer ficar e rejeitar o resto.

 

O Reino Unido crê que a conta a pagar pela saída, que inclui obrigações orçamentais e contributos para pensões de funcionários da UE, deverá rondar os 20 mil milhões de euros, segundo fontes europeias. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 06.02.2017

O frances deve ser o ser humano mais arrogante do planeta.Parece que ja estao a sentir o chao a fugir debaixo dos cotos.Sao os maoires mamoes dentro da EU.Eles so para agricultura recebem da EU muito mais que todo o dinheiro que portugal para tudo,e entao eu pergunto afinal que e o rico nos ou eles?

pub
pub
pub
pub