Europa Acordo na Alemanha traz "mudança de direcção fundamental para a Europa"

Acordo na Alemanha traz "mudança de direcção fundamental para a Europa"

Os conservadores da CDU, os aliados da Baviera e os sociais-democratas já assinaram o entendimento para formar um novo governo de coligação. Schulz valorizou o capítulo sobre a Europa e Merkel prometeu mais investimento.
Acordo na Alemanha traz "mudança de direcção fundamental para a Europa"
Reuters
António Larguesa 07 de fevereiro de 2018 às 15:26

O líder do SPD, Martin Schulz, considera que o acordo de coligação com a CDU de Angela Merkel e os aliados conservadores da Baviera (CSU), assinado esta quarta-feira, 7 de Fevereiro, vai fazer com que "a Alemanha volte ter um papel activo e liderante na União Europeia" (UE).

 

O ex-presidente do Parlamento Europeu, que deverá liderar a diplomacia alemã nos próximos quatro anos e que conseguiu que o seu partido ficasse também com o Ministério das Finanças, frisou, citado pela Reuters, que "o que está escrito neste acordo sobre a UE e o seu futuro será uma mudança de direcção fundamental para a Europa".

 

Durante uma conferência de imprensa conjunta com os prováveis futuros parceiros de governação – este acordo agora alcançado ainda tem de ser votado pelos militantes do SPD no início de Março –, Angela Merkel mostrou-se convencida de que o entendimento é "uma base sólida para um governo estável". E que, apesar de "as finanças sólidas [serem] a sua assinatura", o governo vai apostar no investimento para manter a competitividade germânica, dando o exemplo da modernização das infra-estruturas e da digitalização.

 

Quanto à repartição de pastas, a chanceler, que está no poder há 12 anos, reconheceu que "a questão de quem fica com qual Ministério não foi fácil de decidir". E admitiu que muitos elementos da ala conservadora "não vão ficar felizes com a decisão de entregar o Ministério das Finanças" ao SPD, que nas eleições de Setembro obteve apenas 20,5% dos votos, o pior resultado desde a Segunda Guerra Mundial.

 

Além das Finanças, que deverão ficar nas mãos de Olaf Scholz, 59 anos, presidente da Câmara de Hamburgo desde Março de 2011, o segundo partido mais votado fica também com os Negócios Estrangeiros – Schulz deverá ceder a chefia do partido à actual líder parlamentar, Andrea Nahles –, com a Justiça, Família, Ambiente e com a tutela conjunta do Trabalho e dos Assuntos Sociais.

 

Já o líder da CSU, defensor de maior controlo da imigração e da entrada de refugiados no país, apontou que este acordo de 177 páginas é "a resposta certa aos resultados das eleições", mostrando que os partidos "compreenderam a mensagem e que haverá uma mudança do ‘status quo’". E vai também permitir "ultrapassar as divisões e a polarização no país", acrescentou Horst Seehofer, que é apontado como o provável ministro do Interior.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 07.02.2018

O JdN que fique atento ao governo de Macron. Políticas muito boas, que se distinguirão pela sua justeza, do ponto de vista estritamente social, e pela sua visão, do ponto de vista estritamente económico, muito esclarecedoras e definitivas, estão para acontecer, primeiro em França e depois no resto da Eurozona. "We will gradually enter a time where having a lifetime employment based on tasks that are not justified will be less and less sustainable - we're actually already there." - Emmanuel Macron www.msn.com/en-gb/video/other/french-civil-servants-no-more-jobs-for-life/vi-AAeGlDD

comentários mais recentes
Anónimo 07.02.2018

Hoje em dia a UE já faz transferências e concede ajudas e financiamentos aos Estados-Membros menos ricos e desenvolvidos. No futuro, com uma UE federal com um orçamento maior e mais competências políticas a nível federal, mais direitos (como mais transferências para os Estados e economias que têm menos, e mais e melhor cidadania europeia) implicarão ainda mais deveres (como reformas adequadas feitas na íntegra e de forma atempada) para cada Estado-Membro. Esses deveres, tantas vezes referidos por instituições como a Comissão Europeia, o FMI e a OCDE de forma quase informal e geralmente inconsequente, hoje em dia não são cumpridos. Com uma UE federal existirão meios e ferramentas para que as reformas, os deveres, avancem no seu tempo e Estados-Membros como Portugal e a Grécia não se desleixem e atrasem tanto por força dos seus políticos eleitoralistas mais irresponsáveis, dos seus sindicalistas chantagistas mais fundamentalistas e dos seus banqueiros criminosos mais extorsionários.

Anónimo 07.02.2018

O JdN que fique atento ao governo de Macron. Políticas muito boas, que se distinguirão pela sua justeza, do ponto de vista estritamente social, e pela sua visão, do ponto de vista estritamente económico, muito esclarecedoras e definitivas, estão para acontecer, primeiro em França e depois no resto da Eurozona. "We will gradually enter a time where having a lifetime employment based on tasks that are not justified will be less and less sustainable - we're actually already there." - Emmanuel Macron www.msn.com/en-gb/video/other/french-civil-servants-no-more-jobs-for-life/vi-AAeGlDD

pub