Cultura Acordo para manter Museu Berardo no CCB assinado hoje

Acordo para manter Museu Berardo no CCB assinado hoje

O Museu Colecção Berardo abriu em 2007 com um acervo inicial de 862 obras da colecção de arte do empresário, cedidas ao Estado, avaliadas nessa altura em 316 milhões de euros pela leiloeira internacional Christie's.
Acordo para manter Museu Berardo no CCB assinado hoje
Miguel Baltazar
Lusa 23 de Novembro de 2016 às 07:34

A renovação do acordo para a manutenção do Museu Coleção Berardo no Centro Cultural de Belém (CCB) vai ser assinada hoje, às 10:00, em Lisboa, entre o Ministério da Cultura e o coleccionador José Berardo.

 

De acordo com uma nota de imprensa do Ministério da Cultura, a assinatura da adenda ao protocolo de 2006 vai contar com a presença, em representação do Estado Português, do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, a Fundação Centro Cultural de Belém, o comendador José Berardo e os representantes da Associação Colecção Berardo.

 

"Conforme acordo entre as partes, garante-se a permanência da colecção em comodato na Fundação de Arte Moderna e Contemporânea -- Coleção Berardo, para exposição no Museu, no Centro Cultural de Belém", indica a nota de agenda.

 

Segundo o Ministério da Cultura, o acordo - que será assinado por mais seis anos, e com possibilidade de renovação - foi fechado na segunda-feira.

 

O Museu Colecção Berardo abriu em 2007 com um acervo inicial de 862 obras da colecção de arte do empresário, cedidas ao Estado, avaliadas nessa altura em 316 milhões de euros pela leiloeira internacional Christie's.

 

De acordo com o gabinete do ministro da Cultura, depois de seis meses de negociação, não foi criado um novo acordo, mas sim uma adenda que determina ainda que o Estado mantenha o direito de opção de compra da colecção, como anteriormente.

 

Uma das novidades da adenda, ainda segundo a fonte do gabinete do ministro, é que anteriormente o CCB pagava as despesas da bilhética, e o Museu Berardo tinha as receitas, passando agora a assumir ambas e obrigado a garantir entradas grátis pelo menos um dia por semana.

 

Outra das novidades é a alteração da periodicidade da dotação do Estado para a Fundação Berardo, que gere o museu, passando a ser definida a dois anos - para despesas de funcionamento e de programação - em vez de anualmente, como estava previsto no anterior acordo.

 

O acordo de empréstimo das obras da colecção de arte do empresário para a manutenção do Museu Berardo terminava a 31 de Dezembro deste ano.

 

O Museu Berardo celebrou nove anos em junho passado, com mais de seis milhões de visitantes das exposições permanentes e temporárias, segundo dados do museu.


 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Lr Há 2 semanas

Porque é que para alguns a lei é tão flexível e para outros é tão rígida se fosse o Zé os bens deste Sr já tinham ido a haste pública

Acordo? Negocio pro berardo. Há 2 semanas

Acordo de estes mafiosos e perdas brutais para o Ze pagante. Pois este corno do Berardo, so ele sai benefeciado. Quando milhoes e que deve este ganster a Caixa Geral Deles? E nunca vai pagar.

pub
pub
pub
pub