Conjuntura Actividade económica estabiliza em Agosto

Actividade económica estabiliza em Agosto

A taxa de crescimento da actividade económica em Portugal registou em Agosto os mesmos valores que em Julho, uma estabilização que interrompe as quedas registadas entre Abril e Julho e que beneficia de uma melhoria na actividade da indústria.
Actividade económica estabiliza em Agosto
Gonçalo Oliveira
Bruno Simões 20 de Outubro de 2016 às 12:00

A actividade económica estabilizou em Portugal no passado mês de Agosto, depois de ter desacelerado entre Abril e Julho, de acordo com a síntese económica de conjuntura divulgada esta quinta-feira, 20 de Outubro, pelo Instituto Nacional de Estatística. A evolução do clima económico no país também foi similar e registou uma estabilização em Setembro, indica a mesma publicação do INE (esses dados já tinham sido publicados anteriormente).

 

Os índices que medem tanto a produção na indústria como na construção melhoram face a Julho, assim como o volume de negócios nos serviços. O pior desempenho foi registado nas dormidas nos estabelecimentos hoteleiros, com o respectivo indicador a recuar face aos resultados registados em Julho.

 

Em Agosto, contudo, o indicador quantitativo do consumo privado registou uma subida, após ter desacelerado entre Maio e Julho. Segundo o INE, a aceleração em Agosto reflecte "o crescimento mais expressivo das duas componentes, consumo duradouro e corrente". Por seu turno, o investimento também abrandou em Agosto, com o indicador de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) a reflectir a "redução do investimento em material de transporte".

 

No clima económico, que regista também uma estabilização depois de ter estado a subir desde Maio (e que já não cai desde Dezembro do ano passado), destacam-se as melhorias da confiança nos sectores do comércio e dos serviços.

 

A síntese publicada pelo INE realça ainda que a confiança dos consumidores na Zona Euro caiu em Setembro, ao passo que o indicador de sentimento económico subiu ligeiramente. O relatório é construído com a informação de diversos indicadores conhecida até 19 de Outubro.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


Comemorações Oficiais

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


Porque é que 4 500 000 de trabalhadores privados têm de continuar a pagar a reposição dos salários, das pensões e das mordomias dos 500 000 funcionários públicos?

É uma medida populista que vai enterrar o país em mais 10 000 milhões € nos próximos anos!

Chega de mordomias para os funcionários públicos, são as 35 horas de trabalho, os dias de férias que começam nos 25 dias, as reformas muito acima dos restantes mortais e com muito menos anos de descontos, o bloco de "desculpas" para faltar ao trabalho, as inúmeras greves dos inúteis sindicatos, a impossibilidade de serem despedidos.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Ou seja, estamos estagnados. Foi para esta mherda que o costa foi para lá a todo o custo!

Anónimo Há 1 semana


Um governo de ladrões

PS . BE . PCP - ESTRAGAM A VIDA A 9 MILHÕES DE PORTUGUESES

Para dar mais dinheiro e privilégios a 1 milhão de FP e seus pensionistas.


Anónimo Há 1 semana


Comemorações Oficiais

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


Porque é que 4 500 000 de trabalhadores privados têm de continuar a pagar a reposição dos salários, das pensões e das mordomias dos 500 000 funcionários públicos?

É uma medida populista que vai enterrar o país em mais 10 000 milhões € nos próximos anos!

Chega de mordomias para os funcionários públicos, são as 35 horas de trabalho, os dias de férias que começam nos 25 dias, as reformas muito acima dos restantes mortais e com muito menos anos de descontos, o bloco de "desculpas" para faltar ao trabalho, as inúmeras greves dos inúteis sindicatos, a impossibilidade de serem despedidos.

pub
pub
pub
pub