Segurança Social Actualização de 85% das pensões pressiona despesa dos próximos anos

Actualização de 85% das pensões pressiona despesa dos próximos anos

Em Janeiro serão actualizadas mais de 85% das pensões com a alteração de regras. As mudanças propostas pelo Governo pressionam a despesa de 2017 em 200 milhões de euros mas sobretudo a dos anos seguintes: em 2018 será de 300 milhões.
Catarina Almeida Pereira 26 de Outubro de 2016 às 11:43

A alteração das regras de actualizações das pensões vai determinar que 85% dos pensionistas tenham em Janeiro uma actualização ao nível da inflação registada em 2016, que se espera que seja de 0,7%. A decisão vai pressionar a despesa gasta com pensões não apenas no próximo ano mas sobretudo no ano seguinte, reconheceu esta quarta-feira, no Parlamento, o ministro da Segurança Social.

 

Na proposta de orçamento do Estado que chegou ao Parlamento, o Governo altera a regra de actualização das pensões, passando a actualizar ao nível da inflação registada no ano anterior não apenas as pensões de até 629 euros (1,5 indexante de apoios sociais, ou IAS) mas também as pensões de até 838 euros (2 IAS).

 

"Mais de 85% das pensões passarão a estar cobertas por uma norma que as protege da evolução dos preços", afirmou Vieira da Silva, na primeira audição da Comissão de Finanças, no Parlamento, sobre o orçamento da Segurança Social. Os documentos apresentados aos deputados referem que em causa estão 2,9 milhões de pensões.

 

O ministro da Segurança Social afirmou que, no próximo ano, a actualização de pensões (que também inclui um aumento extraordinário em Agosto) implicará um crescimento de despesa próximo de 200 milhões de euros.

 

E reconheceu também que a alteração de regras vai pressionar as contas no futuro. O efeito "será maior" em 2018, disse, esclarecendo depois que em causa estarão, nesse ano, cerca de 300 milhões de euros. "É um aumento que irá ficar", referiu o ministro.

 

Além desta primeira actualização de Janeiro, está previsto um aumento extraordinário que perfaça os 10 euros em Agosto, mas que só chegará a quem tenha um total de pensões inferior a 629 euros e a quem não tenha visto a sua pensão actualizada entre 2011 e 2015. Esta última opção, muito polémica, exclui do aumento de Agosto os três escalões mais baixos de pensões: a pensão social, a pensão rural e o primeiro escalão de pensões mínimas.


Durante a audição, o PSD e o CDS confrontaram o Governo com a opção de congelar pensões de cerca de 200 euros. Vieira da Silva respondeu que não faz sentido ter congelado durante anos as pensões a quem, apesar de receber um valor um pouco mais alto (a partir dos 275 euros), contribuiu durante mais anos para a Segurança Social.

 

"O Partido Socialista, em nome da justiça contributiva, abandonou o combate à pobreza", respondeu o deputado do CDS Filipe Anacoreta Correia. 



O PSD voltou a acusar o governo de querer cortar pensões ao preparar a aplicação da condição de recursos às pensões mínimas. Vieira da Silva reiterou que essa prova de rendimentos só condicionará as pensões mínimas atribuídas no futuro, e não as actuais.


Globalmente, esclareceu mais tarde o ministro, no próximo ano o Governo vai gastar mais 530 milhões de euros em pensões. Esta verba é influenciada não apenas pela actualização mas pela entrada de novos pensionistas e pelo aumento da pensão média, fruto de carreiras contributivas mais longas.


O governante disse ainda que houve 771 mil pensões mínimas que não foram actualizadas pelo anterior Governo. "Não venham dizer ao país que atualizaram as pensões mínimas, é falso," afirmou Vieira da Silva.




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


PS ROUBA A VIDA A 500.000 TRABALHADORES

O SOCRATES GATUNO endividou o país até à bancarrota, para pagar salários e pensões da FP…

Lançando 500.000 trabalhadores no desemprego!

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Este era o ministro da economia do governo da Bancarrota de 2011, que nojo de gente, cambada de merdosos, miseráveis! Gente sem carácter!

Anónimo Há 1 semana


Justiça

Todas as pensões da FP, devem ter um corte imediato de 50% (acaba-se logo com o défice orçamental)!

Sapateiro da Brandoa Há 1 semana

eu tenho 1550 euros de reforma liquida, porque não tenho aumento a varios anos??
acho uma extrema injustiça.
por isso os politicos portugueses não tem o meu voto.

Resposta de Anónimoa Sapateiro da Brandoa Há 1 semana


Porque não descontaste o suficiente para teres essa reforma!

Anónimo Há 1 semana


Os ladrões de esquerda

SÓCRATES GATUNO & COSTA LADRÃO, destroem 3 gerações de portugueses:

- Endividaram o país até à bancarrota.

- Deixaram dívidas e juros, para 3 gerações de portugueses pagarem.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub