Justiça Acusação chegou: José Sócrates terá recebido 34 milhões

Acusação chegou: José Sócrates terá recebido 34 milhões

O Ministério Público escreveu quase quatro mil páginas para acusar José Sócrates e mais 18 pessoas no âmbito da Operação Marquês. A acusação estendeu-se a mais nove empresas. Além disso, extraiu 15 certidões para outras investigações.
Acusação chegou: José Sócrates terá recebido 34 milhões
José Sócrates está acusado, no âmbito da Operação Marquês, de 31 crimes, envolvendo actuações durante o exercício do cargo de primeiro-ministro. José Sócrates torna-se, assim, o primeiro ex-líder de um governo português em democracia a ser acusado de vários crimes, entre os quais corrupção passiva.

Quase três anos após a sua detenção preventiva, a acusação do Ministério Público é conhecida, apontando-se ao ex-primeiro-ministro favorecimento em benefício de Ricardo Salgado (em decisões relacionadas com a PT), do grupo Vale do Lobo (garantindo um empréstimo junto da CGD) e do Grupo Lena. E para beneficiar estes grupos de interesse a acusação diz que Sócrates recebeu entre 2006 e 2015 – quando foi primeiro-ministro e depois de cessar funções – um total de 34.143.715,64 de euros. Deste valor, o MP aponta que 21 milhões tiveram origem em entidades do GES por determinação de Ricardo Salgado. Com origem no Grupo Lena, o MP detectou um valor superior a 3 milhões e indirectamente, via XLM – sociedade ligada a Carlos Santos Silva, de mais 2,95 milhões. A XLM está ainda relacionada com outros pagamentos no total de 4,2 milhões.

No total, o MP refere que mais de 24 milhões passaram pela Suíça.

O caminho do dinheiro, como apelida a acusação, tinha quase sempre o envolvimento de Carlos Santos Silva, o amigo de José Sócrates, a quem são imputados o maior número de crimes (33). Aliás, o MP, no comunicado emitido, diz mesmo que Carlos Santos Silva "interveio como intermediário de José Sócrates em todos os contactos com o Grupo Lena". E era através de contas deste arguido que Sócrates pagava despesas como aquisição de imóveis, obras de arte, viagens, exemplares do livro de Sócrates, entre outros.

Além da imputação de 31 crimes, e por considerar que a actuação de José Sócrates se traduziu na "violação grave e reiterada dos deveres inerentes ao cargo para o qual foi nomeado" e que o ex-primeiro-ministro revelou "indignidade no exercício de cargos públicos", o Ministério Público pede uma pena acessória de proibição do exercício de "todo e qualquer cargo público, por período não inferior a cinco anos". O MP defende ainda a aplicação de penas acessórias a outros dos 28 arguidos. Salgado, Vara e Bataglia não devem poder ser banqueiros por pelo menos cinco anos. Vara, Granadeiro, Bava, Silva Marques e Ribeiro dos Santos devem ser proibidos de ser gestores públicos durante pelo menos cinco anos.



A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 12.10.2017

"peanurs"....

Deixem o homem tranquilo!!
Deixem a "justiça" e os rapazes do mistério publico, altamente remunerados e com pensões chorudas, fazer o seu trabalho LENTO e INEFICAZ!!!
Vão ver que dentro de 25 anos o socrático está preso!!

Anónimo 12.10.2017

então e o que fizeram com o outro que depois de rebentar a bronca, O DEIXOU FICAR O SR SALGADO QUASE UM MÊS Á FRENTE DO BES PARA ELE TRATAR DO RESTO DAS TRANSFERÊNCIAS?

Nuno 12.10.2017

gostava de ler as 4 mil páginas

BANANAS 12.10.2017

Um dia ainda vai ser presidente desta República. Olhem para o ex-presidiário Isaltino Morais: lá foi eleito novamente, em Oeiras, concelho de estupidos. E o MP a querer proibir esta escumalha de exercer cargos políticos durante apenas 5 anos, está de facto a oferecer vantagens a ladrões.

ver mais comentários
Notícias Relacionadas
Saber mais e Alertas
pub