Política Acusação diz que Sócrates e Vara estavam conluiados em Vale do Lobo

Acusação diz que Sócrates e Vara estavam conluiados em Vale do Lobo

O Ministério Público considera que os pagamentos feitos pelo grupo Vale do Lobo ao ex-primeiro-ministro visavam facilitar os financiamentos dados pelo banco público.
Acusação diz que Sócrates e Vara estavam conluiados em Vale do Lobo
Bruno Simão
Diogo Cavaleiro 11 de outubro de 2017 às 13:21

Vale do Lobo é um dos negócios que sustenta a acusação no âmbito da Operação Marquês. Segundo a lógica do Ministério Público, os pagamentos feitos pelo grupo que liderava o empreendimento turístico no Algarve a José Sócrates tinham como objectivo último flexibilizar os financiamentos concedidos pela Caixa Geral de Depósitos, de que Armando Vara, com que o ex-primeiro-ministro estava combinado, era administrador.

 

"José Sócrates conluiado com o arguido Armando Vara, à data administrador da Caixa Geral de Depósitos, recebeu também pagamentos com origem em receitas desviadas do grupo Vale de Lobo", indica o comunicado da Procuradoria-Geral da República (PGR) divulgado esta quarta-feira, 11 de Outubro, em que são avançados dados da acusação, com base na qual José Sócrates e outros 27 arguidos, incluindo o ex-ministro socialista, poderão vir a ser julgados.

 

Ainda de acordo com a nota da PGR, que tem seis páginas a resumir o despacho final de acusação com mais de 4 mil páginas, os pagamentos feitos "foram determinados por administradores de sociedade desse grupo". A finalidade era "facilitar a concessão de financiamentos por parte da CGD".

 

No comunicado, não são especificados os pagamentos exactos no âmbito de Vale do Lobo. Sabe-se, apenas, que a acusação, agregando os fundos com origens não só no empreendimento, mas também no grupo Lena e no Grupo Espírito Santo, chegou à conclusão de que foram acumulados mais de 24 milhões de euros na Suíça, dinheiro que, em grande medida, viria a ser entregue a José Sócrates.

 

Armando Vara acusado de cinco crimes

 

O ex-primeiro é acusado de 31 crimes, que visam corrupção passiva de titular de cargo político, branqueamento de capitais, falsificação de documento e fraude fiscal qualificada, não sendo especificados quais os que dizem respeito a Vale do Lobo.

 

Certo é que Armando Vara surge na lista de arguidos, acusado da prática de cinco crimes: corrupção passiva de titular de cargo político, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada. A sua filha, Bárbara Vara, é visada por dois crimes de branqueamento de capitais.

 

Em 2006, a CGD entrou no capital do empreendimento turístico Vale do Lobo, comprando-o ao holandês Sander van Gelder. Embora tenha sido o grande financiador, o banco público adquiriu com 25% do capital, ficando os restantes 75% nas mãos de uma sociedade que juntava cinco empresários, mas que entrara com reduzido capital: Diogo Gaspar Ferreira, Rui Horta e Costa, Luís Horta e Costa, Pedro Neto e Hélder Bataglia. Os três últimos pertenciam à Escom, sociedade que o Grupo Espírito Santo tinha em Angola.

 

Na lista de acusados pelo Ministério Público surgem Diogo Gaspar Ferreira, Rui Horta e Costa e Helder Bataglia. Gaspar Ferreira é visado por crime de corrupção activa de titular de cargo político, dois de branqueamento de capitais e três de fraude fiscal qualificada, num total de seis. Rui Horta e Costa é igualmente acusado de corrupção activa de titular de cargo político, branqueamento de capitais e dois de fraude fiscal qualificada. Já Bataglia é acusado pela prática de cinco crimes de branqueamento de capitais, dois de falsificação de documento, dois de fraude fiscal qualificada e ainda um de abuso de confiança.

 

Estes são os crimes da acusação que parte do Ministério Público, para que os 28 arguidos sejam levados a julgamento.


(Incorrecção corrigida às 18:58 na data da entrada da CGD na Vale do Lobo)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
O Zé agradece 11.10.2017

O conluio entre dinheiro e política sempre presente é altura de pôr fim ao escândalo e servir como ponto de partida para a sanidade da via pública em Portugal só por isso devemos muito ao Ministério Público e ao Juiz CA, bem hajam

General Ciresp 11.10.2017

Sinceros sejamos:o caso de pedofilia q envolveu o bota botilha(c c),advogados,medicos e deputados ficou abadalhocado,ainda nao se sabe ao certo como as coisas estao.Estaremos perante um caso identico no q toca a responsabilidades?Foi noticia q a pensao do salgado capela foi arrestada,e as subvencoes

Notícias Relacionadas
pub