Impostos Adicional de IMI agravado para património acima de um milhão

Adicional de IMI agravado para património acima de um milhão

A versão final do novo imposto sobre o património introduz mais do que meros retoques na sua redacção. Os particulares com património acima de um milhão  vão suportar uma taxa maior do que a prevista. Já as empresas pagarão o Adicional sobre o IMI sobre a totalidade do valor patrimonial. 
Adicional de IMI agravado para património acima de um milhão
Duarte Roriz/Correio da Manhã
Elisabete Miranda 18 de Novembro de 2016 às 13:01

O adicional ao IMI (AIMI) terá taxas e regras de apuramento diferentes consoante os proprietários sejam pessoas singulares ou pessoas colectivas. Os singulares enfrentarão duas taxas marginais, crescentes com o património, para evitar que paguem muito menos do que até aqui. Já as empresas terão de pagar AIMI sobre a totalidade do património habitacional, sem a isenção de base dos 600 mil euros. 

 

O desenho final do AIMI, que o Governo tem vindo a trabalhar com o BE e o PCP, preverá duas taxas marginais para as pessoas singulares. Uma taxa de 0,7% sobre o conjunto do património que exceda os 600 mil euros de valor patrimonial tributário (VPT) e outra "próxima de 1%" para incidir sobre o montante que exceda um milhão de euros de VPT. 

 

Este escalonamento será adoptado para atenuar o efeito de substituição do imposto do selo sobre prédios de luxo pelo AIMI, actualmente em vigor, e que, segundo contas já apresentadas pelo Negocios, levaria a que muitos contribuintes até saíssem a ganhar. A fórmula que vai ser adoptada não elimina os ganhos, mas atenua-os. 

Empresas perdem isenção de 600 mil

 

Para as empresas, as regras serão diferentes. Como todos os imóveis afectos à actividade produtiva vão ficar isentos, independentemente do sector de actividade, então o Governo e parceiros optaram por eliminar a isenção base dos 600 mil euros para aqueles imóveis destinados à habitação. Assim, no património que não está afecto à actividade produtiva, as pessoas colectivas pagarão o imposto sobre 100% do valor patrimonial tributário, adiantou ao Negócios fonte governamental sem, contudo, precisar a taxa aplicável neste caso.

 

Esta sexta-feira dia 18 de novembro é o último dia para a apresentação de propostas de alteração ao Orçamento do Estado, devendo ficar a conhecer–se o essencial do desenho da proposta ao início da noite. 

 

Mario Centeno e a sua equipa estão na Assembleia da República a discutir a proposta de orçamento com os deputados, numa altura em que ainda subsistem várias dúvidas em aberto. 

(notícia actualizada às 13:30 com mais informação, e corrigida com a taxa de 0,7%)

 




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado eduardino Há 2 semanas

Gostava de saber aonde é que vão ser gastos estes adicionais. Será para as iluminações de natal? Será para ver os ciclistas passar? Será para o teatro sem espectadores? Será para colocar flores nas rotundas?

comentários mais recentes
ATENÇÃO Há 2 semanas

O debil mental que passa12 horas a fazer comentarios anti FP ou é jovem ou reformado. Se é jovem, que vá trabalhar. Se é reformado e tem reforma baixa que tivesse descontado em função do rendimento auferido. O tipo deve ser dos que recebia por debaixo da mesa, ou não declarava o valor auferido.

Carissimo mais votado Há 2 semanas

É com prazer que abracei a causa pública, meu caro este médico desconta em IRS 3.700 euros por mês. O senhor vá trabalhar.

Muito bem Há 2 semanas

Quem tem casas de 1 milhão pode e deve pagar mais para variar.

FPUBLICO c/ 42 anos trabalho a sustentar xulos e m Há 2 semanas

XULOS BAIRROS SOCIAIS QUE PASSAM DIAS A BRINCAR COM TELEMOVEL E COM PENIS, NÃO PAGAM IMI NEM TAXAS E MORAM DENTRO DA URBE.
O ANONIMO ANTI -FP TEM UM TRAUMA DO KA..RALHO, CONCORRE PRA FPUBLICA PÁ.
OS FP SUSTENTAM OS DO PRIVADO

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub