Função Pública ADSE: Futuras pensões baixas perdem isenção de taxa
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

ADSE: Futuras pensões baixas perdem isenção de taxa

A ADSE propõe que os futuros pensionistas que recebam menos do que um salário mínimo passem a descontar 3,5%. Quem já tem a isenção não a perde.
ADSE: Futuras pensões baixas perdem isenção de taxa
Correio da Manhã

A proposta do novo regime de benefícios da ADSE prevê que todas as futuras pensões de aposentação e reforma, independentemente do seu valor, passem a estar sujeitas a uma taxa de 3,5%. O objectivo é eliminar

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
anonimo 03.07.2017

Acho certo e deveria ser para todos.Quem não quiser tem o SNS que é muito bom. Apesar de ter ADSE , o que mais utilizo é o SNS.Porquê? Porque no privado, mesmo com comparticipação da ADSE, o utente paga muito do seu bolso.Nos serviços convencionados, esperamos tanto como no SNS.

Anónimo 03.07.2017

Os Neros lusitanos geringonceiros estão loucos de contentamento. A austeridade acabou, mas orçamento para limpeza de matas junto a vias de comunicação e aviões apaga-fogos não há. Nem para serviço nocturno do INEM em cidades como Aveiro, Covilhã e Chaves. Aço e cimento para vedações nos paióis militares e sistemas de alarme e video-vigilância, também não. É preciso é dignificar o excedentarismo de carreira sindicalizado. E a dívida pública para eu e os meus pagarem continua a subir. Está muito bem...

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub