Função Pública ADSE pode crescer em mais de cem mil beneficiários

ADSE pode crescer em mais de cem mil beneficiários

A revisão das condições de acesso ao regime de saúde público e poderão levar a um aumento de 118 mil no número de beneficários, num cenário considerado realista por um estudo interno ao organismo.
ADSE pode crescer em mais de cem mil beneficiários
Bruno Colaço/Correio da Manhã
Negócios 10 de janeiro de 2018 às 09:56

O alargamento da ADSE a trabalhadores com contrato individual de trabalho e com contratos a prazo poderá levar à entrada de mais 100 mil pessoas no regime, noticia o Dinheiro Vivo/DN, com base numa estimativa de um estudo interno à ADSE produzido para analisar as possíveis consequências das alterações em debate.

A proposta de alteração ao decreto-Lei que define as regras da ADSE e que alargará o universo de potenciais beneficiários já conheceu várias versões sem gerar consensos escreve o jornal. Em Novembro o Conselho Geral e de Supervisão sugeriu à liderança da ADSE que, numa primeira fase, permita a inscrição aos trabalhadores com contrato individual de trabalho, nomeadamente dos hospitais, aos que anularam a inscrição na ADSE (e que nas actuais regras não se podem reinscrever) e aos que não o fizeram dentro do prazo.

Este universo, juntamente com o dos trabalhadores com contratos a prazo e os de empresas públicas e do sector social elevariam o número potencial de novos beneficiários para 174 mil, num cenário mais optimista, e para 118,7 mil no cenário considerado "realista" pelo estudo a que o Dinheiro Vivo teve acesso.

Segundo o jornal poderá no entanto estar em causa um número menor, apontando para 70 a 80 mil, "já que a extensão aos contratos individuais de trabalho deverá visar preferencialmente os que estão nos Hospitais EPE e situações semelhantes", sendo que "estarão neste caso cerca de 40 mil pessoas", a que junta "cerca de 30 mil precários em análise no âmbito do programa de regularização e ainda o grupo de cerca de 3000 renúncias".

Este tema deverá ser abordado na reunião do Conselho Geral e de Supervisão de amanhã,  que tem como tema central a revisão da tabela de preços das consultas médicas.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 10.01.2018

Se a ADSE for cheia de "beneficiários" com contribuições baixas vai ao charco em pouco tempo. A ADSE para ser justa deveria ter um valor fixo para toda a gente e não ser gratuita à balda para a familia toda. Se toda a gente pagasse a mesma quota até poderia ser aberta a todos. Agora como está não!

Anónimo 10.01.2018

Não compreendo porque não se alarga já a ADSE a todo povo, uma vez que são os contribuintes que suportam parte dos custos e o SNS já está morto. É só ver a miséria nos hospitais.

pub