LEX Advogados "roqueiros" abraçam causa de Marcelo
LEX

Advogados "roqueiros" abraçam causa de Marcelo

Os advogados estão de volta para dar música por uma causa solidária. Desta feita, a receita do já tradicional Rock ‘n’ Law reverte para uma associação de apoio a sem-abrigo, em resposta a um repto lançado à sociedade civil por Marcelo Rebelo de Sousa.
João Maltez 30 de setembro de 2017 às 12:00

Já começou a contagem decrescente para mais uma edição do  tradicional Rock'n'Law, festa organizada anualmente por algumas das mais representativas sociedades de advogados portuguesas, que tem como primeiro propósito apoiar, com a receita angariada, causas de cariz solidário.

 

Nesta 9.ª edição, que decorrerá a 13 de Outubro no restaurante-bar Kais, em Lisboa, os advogados roqueiros vão abraçar uma causa lançada pelo Presidente da República e dar espectáculo a favor de cidadãos sem-abrigo, através do apoio ao projecto "Casas Primeiro", da AEIPS – Associação Estudo e Integração Psicossocial. Esta foi a forma encontrada para responder ao repto de Marcelo Rebelo de Sousa, para que até 2023 não haja um cidadão sem tecto.

 

Refira-se que o projecto "Casas Primeiro" já propiciou apoio a cerca de 100 pessoas com doença mental, algumas das quais viviam na rua há mais de 10 anos. Com a festa de dia 13, o propósito é, segundo Teresa Duarte, presidente da AIPS, "estender a mais 25 pessoas com doença mental o projecto ‘Casas Primeiro’ e apoiá-las na sua reintegração social.

 

No processo de reintegração destes sem-abrigo tudo começa por dar uma casa individual a quem vive na rua. O passo seguinte consiste em reactivar os laços com a sociedade. A AEIPS acompanha cada uma destas pessoas, proporcionando-lhes cuidados de saúde, apoiando-as na obtenção de rendimentos sociais e, quando possível, no regresso à vida activa.

Histórias de sem-abrigo

Sob o mote #todostemoshistorias, muitos dos que viveram na rua e que foram ajudados pelo "Casas primeiro" contam a sua história na primeira pessoa. Todas elas estão contadas no facebook do Rock ‘n’ Law , onde também alguns dos advogados roqueiros, que não só, também deixam um testemunho sobre a iniciativa e o espectáculo de dia 13 de Outubro.

 

Este ano o palco é montado no Kais, a partir das 21h, com um cartaz de oito bandas de sociedades de advogados e a festa segue com um DJ convidado. Este ano, o músico João Gil também marca presença.

 

A entrada no evento é feita mediante a contribuição de 20 euros. O valor angariado reverte na totalidade para a AEIPS, após dedução dos custos do evento.

Em marcha desde 2008
Segundo a organização do Rock’n’ Law, desde 2008 já foi possível angariar com estas festas mais de 450 mil euros para apoiar um total de 15 projectos de solidariedade social. Ao longo destes anos, tem sido possível juntar no palco personalidades (advogados/músicos) como Daniel Proença de Carvalho, António Lobo Xavier, Agostinho Pereira de Miranda, Luís País Antunes, João Vieira de Almeida ou Jorge de Brito Pereira, entre muitos outros.
 

A organização do evento deste ano é feita em conjunto pelas sociedades de advogados CMS Rui Pena & Arnaut; Cuatrecasas, Gonçalves Pereira & Associados; DLA Piper ABBC; F. Castelo Branco & Associados; Garrigues; Gomez – Acebo & Pombo; Linklaters; Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados; PLMJ Advogados; Sociedade Rebelo de Sousa & Associados; Uría Menéndez - Proença de Carvalho; e Vieira de Almeida. 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Depois de DEDUZIDAS todas as 01.10.2017

despesas. Como habitualmente as despesas ultrapassam as receitas, lá se vai a solidariedade. Calma não se perde tudo, fica a intenção e o aparecimento na imprensa. Fazer caridade com o dinheiro dos outros e correr o risco de nada sobrar, depois de um lauto jantar e respetivas bebida.

SALAZAR 30.09.2017

NÃO PASSA TUDO DE UMA HIPOCRISIA. SÃO ESTES MESMOS ADVOGADOS DOS "GRANDES" ESCRITÓRIOS QUE TÊM CONTRIBUÍDO DECISIVAMENTE PARA A DESGRAÇA E DESTRUIÇÃO DO PAÍS TENDO EM CONTA AS MEGA-NEGOCIATAS CORRUPTAS EM QUE PARTICIPAM E PROMOVEM. DEPOIS FAZEM CARIDADEZINHA... A MAIORIA DEVIAM ESTAR PRESOS.

Anónimo 30.09.2017

Uma esmolinha dos "Robber Barons"?

Já não Há Mentira que Pegue 30.09.2017

Não se vê Razão para votar em outro Partido nas eleições, que não PS, vê-se Todas as Razões para Votar no PS, 1º porque ninguém quer voltar a Trás, aos Saques do PSD e CDS, 2º Acabar com a dependência do BE, já que o PSD se Auto Excluio das Soluções para Portugal, agarrados que estavam ao TACHO.

pub