Conjuntura Agência de rating chinesa diz que Portugal tem de reforçar competitividade interna

Agência de rating chinesa diz que Portugal tem de reforçar competitividade interna

Para Guan Jianzhong, presidente da Dagong, a questão chave para Portugal é o país perceber "como reforçar os factores internos da economia, especialmente nas formas de criar crescimento, de desenvolver a competitividade central de Portugal como economia".
Agência de rating chinesa diz que Portugal tem de reforçar competitividade interna
Bloomberg
Lusa 27 de Novembro de 2016 às 18:03

O presidente da Dagong, a maior agência chinesa de 'rating', considera que as regras orçamentais europeias a que Portugal está obrigado "são necessárias", mas defende que "o próximo passo" deve ser "desenvolver os factores internos de competitividade".

 

"De facto, Portugal esteve numa situação difícil quanto à dívida pública e acho que as regras orçamentais da Europa são necessárias nestas situações. Mas acho que o próximo passo para Portugal é pensar em como aumentar a competitividade interna", afirmou o líder da Dagong Global Credit Rating Group, Guan Jianzhong, em entrevista à Lusa.

 

Para Guan Jianzhong, a questão chave para Portugal é o país perceber "como reforçar os factores internos da economia, especialmente nas formas de criar crescimento, de desenvolver a competitividade central de Portugal como economia".

 

"Acho que isto vai ser um grande teste para os líderes em Portugal. O ambiente interno em Portugal é robusto, mas é mesmo na questão da competitividade que têm de apostar", considerou, acrescentando que as medidas que têm sido adoptadas pelo Governo socialista de António Costa lhe dão "esperança quanto à recuperação da economia".

 

Questionado sobre se Portugal não deveria potenciar a competitividade externa e as exportações, o presidente da Dagong reiterou que "a questão central é qual é a competitividade de Portugal internamente".

 

Sublinhando que "a abertura do mercado é um pré-requisito" para o crescimento, mas que "não vai resolver os problemas, Jianzhong defendeu que deve "promover a inovação na economia como sendo um novo elemento interno" de crescimento.

 

Atualmente, a Dagong classifica Portugal com 'BB', uma nota considerada lixo, mas a um nível da escala de investimento, sendo esta avaliação feita apenas com base na informação que é pública, uma vez que se trata de um 'rating' (nota) não solicitado.

 

O presidente da Dagong disse que "há sinais de melhoria" a nível macroeconómico em Portugal e que "estes sinais positivos têm de ser tidos em conta no 'rating' de Portugal no longo prazo", mas alertou para a necessidade de "olhar também para o desempenho orçamental".

 

"É preciso olhar para a receita do Governo e também para o pagamento da dívida pública. Isso também vai ser tido em conta na nossa avaliação", afirmou Guan Jianzhong, acrescentando que as políticas "que o Governo tem estado a pensar (...) são sinais positivos para a economia" e que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) "comprova isso mesmo".

 

Já quanto ao sistema financeiro, o presidente da Dagong entende que este "é um instrumento para o crescimento", admitindo que é "uma das maiores preocupações" para a agência de 'rating' que dirige.

 

Sublinhando que o executivo tem "planos importantes para a economia", Guan Jianzhong alerta que, "sem um sistema financeiro robusto, a implementação destas medidas vai ser difícil".

 

Segundo o presidente da Dagong, as empresas chinesas estão disponíveis para investir e não estão à procura de sectores específicos, até porque a China tem "uma diversidade grande de investidores".

 

"A questão é os projetos disponíveis em Portugal. Vocês têm de ter bons projectos, investimentos onde se possa investir e também é preciso resolver o problema da assimetria da informação", recomendou Jianzhong, acrescentando que é necessário garantir que os investidores têm acesso a "informação credível".

 

Sublinhando que esta situação "não é só em Portugal, é em toda a Europa", e apontando que o problema é que "a informação não está sempre disponível e que, por vezes, a informação que os investidores querem ver não tem uma fonte credível", o líder da agência de 'rating' chinesa diz que "a Dagong pode ter um papel e ser uma ponte entre a China e Portugal no financiamento destes projectos".


 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pertinaz "O CEPO" Há 1 semana

És mesmo cepo Pertinaz,ele fala em falta de competitividade interna, isso foi o que os lalanjinha mais destruiu, mandou a juventude emigrar, destruiu muitas empresas, ou seja a economia real, foi destruída em mais de 30%, ficando os tubarões e desviando recursos para sistema financeiro.

pertinaz Há 1 semana

ATÉ OS CHINESES JÁ PERCEBERAM QUE NÃO VAMOS A LADO NENHUM


VAMOS A CAMINHO DO ABISMO

00SEVEN Há 1 semana

Lá vem estes "chinocas" a dar lições !
Falem com o Kosta, com a Catarina e com o Jerónimo que eles é que percebem da coisa!

pub