União Europeia Agências europeias vão mesmo sair do Reino Unido. Portugal é candidato

Agências europeias vão mesmo sair do Reino Unido. Portugal é candidato

Londres diz acreditar poder ficar com a sede de algumas agências europeias. Bruxelas responde: nem pensar. Lisboa quer ficar com a dos medicamentos.
Agências europeias vão mesmo sair do Reino Unido. Portugal é candidato
Reuters
Eva Gaspar 19 de abril de 2017 às 14:45

As agências europeias que estão actualmente sediadas no Reino Unido vão mesmo sair do país e o governo britânico não terá qualquer voto na matéria, incluindo na hora de decidir para que outro Estado serão transferidas.

O esclarecimento foi prestado pela Comissão Europeia nesta quarta-feira, 19 de Abril, depois de David Davis, o ministro britânico encarregue das negociações de saída da União Europeia ("Brexit", ter afirmado que Londres poderia aspirar manter a Autoridade Bancária Europeia (EBA). Londres acolhe ainda a Agência Europeia de Medicamentos (EMA), sendo Lisboa uma das candidatas a nova sede.

 

"O Reino Unido está a sair da UE e não terá nada a dizer sobre a localização das agências da UE. A decisão de realocar a EMA e a EBA cabe aos outros 27 Estados-membros. Não faz parte das negociações do Brexit; é, antes, uma consequência do Brexit", frisou o porta-voz de Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia.


O governo português já manifestou o desejo de acolher em Lisboa a agência europeia dos medicamentos. A capital portuguesa é já sede da Agência Europeia de Segurança Marítima (EMSA), e do Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT).


Falando em Bruxelas, o mesmo porta-voz desdramatizou as consequências práticas da antecipação de eleições no Reino Unido para 8 de Junho, afirmando que as negociações de saída, propriamente ditas, só poderiam, em todos os casos, ter lugar no final de Junho ou mesmo no início de Julho.

Theresa May surpreendeu meio-mundo nesta semana, ao convocar eleições, depois de, em Setembro, ter garantido: "Não irei convocar eleições antecipadas. Fui muito clara ao dizer que precisamos de estabilidade". Usando mesmo argumento da estabilidade, a primeira-ministra quer agora eleições, argumentando que cada voto no seu partido Conservador será um voto a mais a fortalecer a posição do governo britânico nas negociações do Brexit.

Para antecipar a chamada às urnas, May precisa, porém, do aval de dois terços dos deputados da Câmara dos Comuns. Essa votação está marcada para esta tarde.

(notícia actualizada para incluir o OEDT)




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tereza economista Há 1 semana

Portugal deve exigir que a sede dessas instituições fiquem em Portugal, pois somos o Estado mais periférico e que nada ganha com as instituições europeias.

Manuel Rua Há 1 semana

Porque è que tem que ser para Lisboa? Não hà mais cidades em Portugal ?

Jose Ferreira da Silva Há 1 semana

Uma agencia europeia para Portugal não devia significar uma agencia europeia para Lisboa . Temos mais cidades que podem ter agencias europeias e se o governo quer mesmo apostar na decentralização que passe aos atos concretos.

Ticardo Há 1 semana

Temos tambem a agencia europeia da droga... essa tambem sediada em Lisboa.
Nao seria tempo de ter uma Agencia Europeia no Porto.
Espanha tem 5 agencias, cada uma numa cidade diferente.
Vamos ver se vem para Lisboa ou para Milão. Os Italianos tambem a querem e levaram ao Reino Unido a sua trupe.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub