Economia Alegre critica Cavaco por ainda não ter vetado nenhuma medida do Governo

Alegre critica Cavaco por ainda não ter vetado nenhuma medida do Governo

O socialista Manuel Alegre criticou hoje o Presidente da República, Cavaco Silva, por ainda não ter vetado nenhuma das medidas do actual Governo que "atingem gravemente o conteúdo social" da democracia portuguesa.
Alegre critica Cavaco por ainda não ter vetado nenhuma medida do Governo
Lusa 16 de Junho de 2012 às 21:34
“Por vezes, [Aníbal Cavaco Silva] diz coisas com as quais eu estou de acordo, mostra mais sensibilidade social do que o Governo, mas a verdade é que ainda não vetou nenhuma daquelas medidas do Governo que atingem gravemente o conteúdo social da nossa democracia, nomeadamente o código do trabalho, as taxas moderadoras, etc. etc.”, afirmou o antigo deputado do PS.

Lembrou que o Presidente “jurou cumprir e fazer cumprir a Constituição” e que lhe cabe “velar por um equilíbrio nas relações sociais e nas relações políticas”, mas acusou Cavaco Silva de não usar os poderes de que dispõe “para poder dar um sinal” ao Governo e ao país.

“Uma coisa são as palavras, outra são os actos. Tem feito certos alertas, diz que o país não aguenta mais, falou de certas iniquidades como a de escolher uma categoria profissional, os funcionários, públicos para cortar salários e pensões. Tudo isso está certo, mas depois ele não veta”, criticou Manuel Alegre.

Acrescentou que “não é por acaso” que Cavaco Silva aparece nas últimas sondagens “numa situação que não é boa”, ao contrário do que aconteceu no primeiro mandato e do que considera ser habitual no Presidente da República.

Manuel Alegre foi adversário de Cavaco Silva nas últimas eleições presidenciais.

“Durante a campanha, disse que [Cavaco Silva] não dava garantias de se opor a um projecto estratégico desta maioria e que é desfazer o Estado social, esvaziar os serviços públicos, o Serviço Nacional de Saúde, a Segurança Social, a segurança pública, os direitos laborais, o código do trabalho. Que não dava garantias de preservar e defender o que está inscrito na Constituição”, afirmou.

O poeta Manuel Alegre falava em Forjães, Esposende, onde foi o convidado da iniciativa cultural “Na minha terra cabe o mundo todo”, promovido pela Junta de Freguesia local e pelas associações ACARF e MarUno.






A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
fernandes barata 17.06.2012

...então o homem ia lá fazer isso?! E depois o "tachinho" podia fugir, mais tarde. É tudo gente da mesma "família", não jogam uns contra os outros! E, de resto, que moral tinha para criticar, se foi um dos grandes "coveiros" deste pobre País de farçolas. Podem pintá-lo de amarelo e despachá-lo para a China. Lá "papam" de tudo, até este "marchava".

Anónimo 17.06.2012

depois de tanta porcaria promulgada para o anterior executivo coo pode agora vetar... quem se "vende" uma vez fica sem cara para ter autoridade.

cadavezmaislxiadosepobres 17.06.2012

todos os políticos gatunos que temos por continuarem na roiubalheira e negociatas,.. e a ti por teres recebido uma vitalícia e umas acumulações,...

povo vamos tratar da saúde aos políticos,...

observadorzito 17.06.2012

também pode ir com o primo Soares passar umas férias bastante prolongadas para qualquer país africano onde ensinem o socia-
lismo revolucionario que possuem na cabeça.
Por favor demorem-se por lá......

ver mais comentários
pub