Mundo Alemanha afirma que eleição de Donald Trump marca o fim de uma era  

Alemanha afirma que eleição de Donald Trump marca o fim de uma era  

Com a eleição de Donald Trump, o velho mundo do século XX finalmente acabou" e "como o mundo de amanhã será ainda não está definido".
Alemanha afirma que eleição de Donald Trump marca o fim de uma era  
Lusa 22 de janeiro de 2017 às 15:07

O chefe da diplomacia alemã afirmou hoje que a eleição de Donald Trump marca o fim de uma era e que Berlim irá avançar prontamente para salvaguardar "uma cooperação transatlântica estreita e confiante" com a nova administração americana.

Num artigo publicado hoje no jornal alemão Bild, o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Frank-Walter Steinmeier, escreveu que "com a eleição de Donald Trump, o velho mundo do século XX finalmente acabou" e "como o mundo de amanhã será ainda não está definido".

O artigo de Steinmeier é publicado dois dias depois de Trump ter prestado juramento como 45.º Presidente dos Estados Unidos numa cerimónia pública em Washington.

 

Steinmeier referiu que quando acontece uma mudança de poder existem "incertezas, dúvidas e pontos de interrogação", mas advertiu que muito mais está em jogo "nestes tempos de uma nova desordem global".

 

Sobre a relação directa com Washington, Frank-Walter Steinmeier indicou que Berlim pretende salvaguardar "uma cooperação transatlântica estreita e confiante sustentada em valores comuns" com a nova administração americana.

 

O chefe da diplomacia alemã também referiu que pretende promover com Washington o livre comércio e esforços conjuntos contra o extremismo.

 

Ainda no artigo, Steinmeier afirmou ter a certeza de que a Alemanha vai "encontrar interlocutores em Washington que saibam que os países grandes também precisam de parceiros".

 

No sábado, a chanceler alemã, Angela Merkel, manifestou confiança de que as relações transatlânticas vão continuar a ser importantes com Donald Trump na Presidência dos Estados Unidos e disse que a Alemanha irá trabalhar nesse sentido no seio do G20, grupo que reúne as 20 economias mais ricas e emergentes do mundo. A Alemanha sucedeu à China na presidência do G20.

 

"As relações transatlânticas não irão ter menos importância nos próximos anos. Vou trabalhar para isso", disse Merkel.

 

Numa recente entrevista, Trump manifestou o seu respeito pela chanceler, que classificou como uma "grande líder", mas disse que Merkel cometeu um "erro catastrófico" ao abrir as fronteiras da Alemanha a migrantes e refugiados.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 22.01.2017

A teta da vaquinha vai secar; assim decidiu o povo americano; o barulho da escumalha e da maioria dos jornalistas que nao sabem perder, teem de aprender a viver em democracia.; senao levam cachaporra!!!

comentários mais recentes
Anónimo 22.01.2017

A teta da vaquinha vai secar; assim decidiu o povo americano; o barulho da escumalha e da maioria dos jornalistas que nao sabem perder, teem de aprender a viver em democracia.; senao levam cachaporra!!!

Ciifrão 22.01.2017

Não acredito que a vontade de um homem se sobreponha à dos milhões dos americanos, o absolutismo dos governantes não volta a acontecer.

pub
pub
pub
pub