União Europeia Alemanha: Turquia e Ucrânia podem beneficiar de um Brexit “inteligente”

Alemanha: Turquia e Ucrânia podem beneficiar de um Brexit “inteligente”

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Sigmar Gabriel, defende que se houver um acordo “inteligente” no Brexit, esse modelo poderá ser adaptado à Turquia e à Ucrânia nas relações com a União Europeia.
Alemanha: Turquia e Ucrânia podem beneficiar de um Brexit “inteligente”
Negócios 26 de dezembro de 2017 às 14:17

"Se conseguirmos alcançar um acordo inteligente com a Grã-Bretanha que defina as suas relações com a Europa depois do Brexit, então pode servir como modelo para outros países", afirmou Sigmar Gabriel (na foto) em declarações ao grupo alemão Funke, citado pela BBC. O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão referia-se, segundo a BBC, à Turquia e à Ucrânia.

 

O responsável diz não antever novas adesões à União Europeia no curto-prazo, sendo que acordos de cooperação surgem como alternativas de aproximação das relações entre os países que compõem a região e outras nações.

 

O modelo para o Brexit ainda está a ser negociado. Depois do referendo de Junho de 2016 ter dado a vitória ao "sim" para a saída do Reino Unido da União Europeia, só há cerca de duas semanas os Estados-membro chegaram a acordo sobre a factura a pagar por Londres, que deverá rondar os 40 a 45 mil milhões de euros.

Este acordo permite que se passe à segunda fase das negociações, que se prende precisamente com os contornos da relação entre o bloco de 27 países e o Reino Unido. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub