Américas Alexander Acosta é nova proposta de Trump para a pasta do Emprego

Alexander Acosta é nova proposta de Trump para a pasta do Emprego

Depois da desistência de Andrew Puzder, Trump propõe agora Acosta para a pasta do Emprego. O hispânico tem experiência na validação junto do Senado e décadas de serviço público, tendo passado pelo departamento de protecção dos trabalhadores do sector privado.
Alexander Acosta é nova proposta de Trump para a pasta do Emprego
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 16 de fevereiro de 2017 às 18:28
Alexander Acosta, anterior membro da NLRB - a agência federal que protege os interesses dos trabalhadores do sector privado - é a escolha do presidente norte-americano Donald Trump para a pasta do Emprego.

O nome, conhecido nas últimas horas, foi confirmado por Trump em conferência de imprensa esta quinta-feira, 16 de Fevereiro, um dia depois de o anterior nomeado, Andrew Puzder, CEO dos restaurantes CKE, ter abdicado da confirmação no Senado por receios de falta de apoio.

Acosta é, de acordo com a Reuters, o primeiro hispânico a ser nomeado para o executivo presidencial republicano saído das eleições de 8 de Novembro.

"Ele tem uma carreira formidável. (...) Penso que ele será um formidável secretário do Emprego," afirmou Trump aos jornalistas na Casa Branca sobre o actual reitor do College of Law da Florida International University.

O nomeado foi confirmado no passado por três vezes no Senado para cargos indicados pela presidência, nomeadamente por George W.Bush, tendo sido também procurador assistente. Enquanto procurador para o Southern District da Florida, conseguiu que o banco suíço UBS pagasse mais de 750 milhões de dólares em multas por envolvimento num esquema de fuga ao fisco.

Trump lamentou ainda o atraso na validação da sua equipa junto do Senado, acusando os democratas de bloquearem a formação do executivo.

"Como é que não aprovamos [os nomes]? Temos um grupo maravilhoso de pessoas e não conseguimos que isso aconteça. (...) A única coisa que os democratas conseguem fazer é adiar," queixou-se. 

O presidente desenrolou ainda uma lista das decisões presidenciais tomadas nas semanas posteriores à sua tomada de posse, desde cancelar a Parceria Transpacífico (TPP), a desregulamentação do sector financeiro, o congelamento de admissão de novos funcionários não necessários, a redução do número de regulamentos e a construção do muro com o México, prometendo baixar o preço da infra-estrutura "como baixo o preço de tudo em que me envolvo."



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado 00SEVEN 17.02.2017

Eu sou um fervoroso adepto e praticante da verdade!
Assim sendo, acho que os jornais devem relatar factos sem qualquer distorção ou "spin", deixando para os leitores a tarefa de os interpretarem,
Eu vi em directo toda a conferência de imprensa dada por Trump de cera de 1:15 minutos na Fox e exultei com as directas enviadas à imprensa especialmente à CNN enxameada e enlameada de repórteres indignos desse nome que foram ao ponto de darem previamente as perguntas à Hilary Clinton aquando do debate organizado durante a campanha eleitoral.
Ou me engano muito ou esta estação detida pela Time Warner terá um futuro pardacento se o "take over" da ATT para controlar a Time Warner for aprovado em Washington!
Espero que este jornal seja sempre imparcial e que os seus profissionais se elevem acima de muito jornalista trauliteiro que por aí anda!
Factos como esta notícia transmite sem especulação ou "verdade alternativa" como a do pobre João Galamba!

comentários mais recentes
00SEVEN 17.02.2017

Eu sou um fervoroso adepto e praticante da verdade!
Assim sendo, acho que os jornais devem relatar factos sem qualquer distorção ou "spin", deixando para os leitores a tarefa de os interpretarem,
Eu vi em directo toda a conferência de imprensa dada por Trump de cera de 1:15 minutos na Fox e exultei com as directas enviadas à imprensa especialmente à CNN enxameada e enlameada de repórteres indignos desse nome que foram ao ponto de darem previamente as perguntas à Hilary Clinton aquando do debate organizado durante a campanha eleitoral.
Ou me engano muito ou esta estação detida pela Time Warner terá um futuro pardacento se o "take over" da ATT para controlar a Time Warner for aprovado em Washington!
Espero que este jornal seja sempre imparcial e que os seus profissionais se elevem acima de muito jornalista trauliteiro que por aí anda!
Factos como esta notícia transmite sem especulação ou "verdade alternativa" como a do pobre João Galamba!

pub