Conjuntura Algarve foi a região que mais cresceu em 2016. Alentejo esteve no pólo oposto

Algarve foi a região que mais cresceu em 2016. Alentejo esteve no pólo oposto

Portugal cresceu no ano passado 1,5%, Lisboa e o Norte continuam a ser responsáveis por mais de metade do produto interno bruto nacional, mas a região que mais cresceu foi a do Algarve. Já o Alentejo foi a que menos cresceu.
Algarve foi a região que mais cresceu em 2016. Alentejo esteve no pólo oposto
Pedro Noel da Luz
Sara Antunes 15 de dezembro de 2017 às 11:58

O produto interno bruto (PIB) nacional cresceu no ano passado 1,5% para um total de 185,18 mil milhões de euros. O Instituto Nacional de Estatística (INE) revelou esta sexta-feira, 15 de Dezembro, o PIB por regiões e a sua evolução face ao ano anterior.

 

Conclui-se que a Área Metropolitana de Lisboa e a região Norte são responsáveis por 65% da riqueza nacional, um cenário que é recorrente.

 

Em matéria de crescimento é o Algarve que se destaca, tendo registado um aumento do seu PIB de 2,6% em 2016, ainda assim a riqueza gerada por esta região é apenas a quarta maior, entre as sete analisadas.

 

A riqueza gerada pela região do Algarve (8,3 mil milhões de euros) é inclusivamente menor do que gerada pela região que menos cresceu no ano passado: o Alentejo (12,2 mil milhões). A segunda região mais a Sul, passou assim da região que mais cresceu, em 2015, para a que menos se expandiu no ano passado.

 

O INE realça que "a análise da convergência económica das regiões NUTS III, revela uma diminuição das disparidades regionais no período de 2000 a 2015, com as regiões mais pobres a apresentarem taxas de crescimento do PIB per capita e da produtividade muito superior à média do país."

 

"O aumento da actividade do ramo do comércio, transportes, alojamento e restauração, ramo mais relevante na estrutura produtiva da região do Algarve, foi determinante para o crescimento real do PIB desta região", adianta o INE.




pub