Rendas Alojamento local e rendas em categoria B não vão descontar para a Segurança Social

Alojamento local e rendas em categoria B não vão descontar para a Segurança Social

O novo regime contributivo dos trabalhadores independentes deixa de fora quem se dedique exclusivamente ao alojamento local e ao arrendamento urbano, escreve esta quarta-feira, 27 de Dezembro, o Diário de Notícias.
Alojamento local e rendas em categoria B não vão descontar para a Segurança Social
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 27 de dezembro de 2017 às 11:05

Ficarão excluídos do âmbito pessoal do regime dos trabalhadores independentes "os titulares de rendimentos da categoria B resultantes exclusivamente" do arrendamento urbano e do alojamento local". A norma, escreve esta quarta-feira 27 de Dezembro, o Diário de Notícias, consta do novo regime contributivo, aprovado na semana passada em Conselho de Ministros.

Fonte  oficial do Ministério do Trabalho e da Segurança Social confirmou ao jornal que esta nova norma, que contava da versão do diploma inicialmente apresentada aos parceiros sociais, manteve-se na versão final.

Para os trabalhadores independentes que juntem rendimentos de uma profissão liberal com outros provenientes do alojamento local ou do arrendamento, nada muda, ou seja, mantém-se a obrigatoriedade de continuarem a descontar para a Segurança Social de acordo com os rendimentos que auferem.

No caso do alojamento local ou do arrendamento (desde que os proprietários em causa tenham optado pela tributação em sede de categoria B) o facto de não descontarem para a Segurança Social, terá, naturalmente, implicações ao nível da sua carreira contributiva e quando se reformarem, ao nível da respectiva reforma. 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Gonçalo 27.12.2017

Sempre a bater no "ceguinho", não há direito a baixa, nem proteção na parentalidade e agora já nem podem ter reforma. é pagar impostos, trabalhar, mas estar impedido de qualquer beneficio social.
Claro está que há uns inteligentes a dizer que é uma vantagem, burros!

Anónimo 27.12.2017

A acrescentar à não ter direito ao mínimo de existência, acresce não ter reforma, subsídio de desemprego, de doença, etc... os da critica fácil...querem trocar?

Anónimo 27.12.2017

O que os entendidos vêm para aqui criticar é revelador da sua ignorância! Esquecem-se queeste Sector não tem direito ao mínimo de existência, valor a rondar os 8500€ isentos de IRS, só os trabalhadores por conta de outrém, os pensionistas e os profissionais liberais é que têm direito! Querem trocar?

Mr.Tuga 27.12.2017

Neste novo OASIS ninguém paga .... Muito menos os que mais beneficiam com IVAs a 6% e 13% e os que mais fogem....

A classe media alta, por conta de outrem, paga TUDO!!!!!!!!!!!!!!!!!!

pub