África Analista: Angola pode ser o próximo país africano a entrar em default

Analista: Angola pode ser o próximo país africano a entrar em default

O analista John Ashbourne, da consultora Capital Economics, considera que Angola é o país em África que mais probabilidades tem de enfrentar uma crise financeira como a de Moçambique, que hoje entrou oficialmente em incumprimento (default).
Analista: Angola pode ser o próximo país africano a entrar em default
Bloomberg
Lusa 03 de fevereiro de 2017 às 11:23

"Dado o opaco e muitas vezes sigiloso Governo, é o país mais provável de lançar uma surpresa ao estilo de Moçambique, anunciando que as coisas estão muito piores do que os números oficiais sugerem", disse o analista da consultora britânica, responsável pelo departamento africano.


Em declarações à Bloomberg no seguimento do incumprimento financeiro de Moçambique, Ashbourne argumentou que Angola, a terceira maior economia africana depois da Nigéria e da África do Sul, "tem uma economia em dificuldades, uma moeda sobrevalorizada e volumes excessivos de dívida pública e privada".


A possibilidade de o incumprimento financeiro de Moçambique, hoje materializado, poder estender-se a mais países africanos, é um dos temas que os analistas dizem estar a preocupar os investidores, com o modelo de risco de crédito soberano da agência financeira Bloomberg a apontar o Senegal, Tunísia, Gana e Zâmbia como os mais problemáticos.


O modelo da Bloomberg usa dados que incluem o défice orçamental, as reservas externas, o crédito malparado nos bancos e a instabilidade política para calcular as probabilidades de incumprimento financeiro por parte dos Estados.


"O 'default' de Moçambique levantou o receio de uma série de crises da dívida em África", acrescentou o economista e analista da Capital Economics.


"Apesar de o risco de contágio numa região com economias díspares e poucas ligações económicas entre si ser baixo, alguns países podem enfrentar dificuldades no pagamento ou na reestruturação de títulos de dívida pública vendidos durante os anos de grande crescimento", concluiu o responsável.

Além dos quatro países identificados como problemáticos pelo modelo da Bloomberg, este economista identificou também, para além de Angola, o Quénia e a Costa do Marfim como os que têm mais probabilidade de entrar em incumprimento financeiro, seja por razões económicas, seja por instabilidade política.

Moçambique entrou hoje oficialmente em incumprimento financeiro, depois de terminar na quinta-feira o período de tolerância para o pagamento de 60 milhões de dólares referentes à prestação de Janeiro da emissão de dívida pública feita em Abril.

Torna-se, assim, o primeiro país do continente a falhar um pagamento de dívida desde que a Costa do Marfim não foi capaz de honrar os compromissos financeiros, em 2011.

 

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 3 semanas

COM A QUEDA DO PETRÓLEO E A ESCASSEZ DE DÓLARES IMPOSTA PELA ADMINISTRAÇÃO AMERICANA O DEFAULT JÁ DEVIA TER OCORRIDO.... ESTES ANGOLANOS DEVEM SER MESMO BONS ... !!!

Anónimo Há 3 semanas

MAS A CONTA BANCARIA DO DITADOR ANGOLANO DA SUA FAMÍLIA E DOS GENERAIS À VOLTA, ESSAS CONTAS ESTÃO BEM RECHEADAS DE MILHÕES DE DÓLARES, NÃO É?

Imposible Há 3 semanas

Impossível, ainda ontem vi um senhor com passaporte angolano comprar 860eur só em perfume no aeroporto da portela. tenho a certeza que a elite angolana não deixará isso acontecer ao começarem a declarar os seus rendimentos ;)

CaTu Há 3 semanas

É inevitável que um país pobre com um democracia exemplar, sem recursos naturais e pouca riqueza mas bem distribuída seja apanhado na armadilha da dívida. ... é claro baseio-me em factos alternativos

ver mais comentários
pub