Angola Angola é um dos 10 piores países para fazer negócios

Angola é um dos 10 piores países para fazer negócios

Angola está na 182.ª posição do ranking "Doing Business", que avaliou 190 países. O último desta classificação é a Somália. O melhor é a Nova Zelândia, Portugal ocupa o 25.º lugar.
Angola é um dos 10 piores países para fazer negócios
Lusa 26 de Outubro de 2016 às 14:28

Angola está entre os 10 países onde é mais difícil fazer negócios, segundo o ranking "Doing Business" do Banco Mundial, no qual apenas um terço dos países lusófonos melhoraram o seu ambiente de negócios.

No relatório do Grupo Banco Mundial (BM) "Doing Business 2017- Igualdade de Oportunidades para Todos", que avalia 190 países, conclui-se que 137 países realizaram reformas para melhorar o ambiente de negócios em 2015/16, mais 20% do que no ano passado.


O relatório inclui um ranking dos 190 países, liderado pela Nova Zelândia, que com uma classificação de 87,01 pontos surge como a economia onde é mais fácil fazer negócios. No fim da lista surge a Somália, com uma pontuação de 20,29.


Entre os 10 últimos encontra-se Angola, com 38,41 pontos e na 182.ª posição, embora esteja entre os países que aboliram ou reduziram o capital mínimo requerido para a constituição de uma empresa e entre os que reduziram outros impostos para além dos impostos sobre o trabalho e sobre o lucro.

Angola, tal como seis dos nove Estados-membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), não viu melhorar nem piorar o seu ambiente de negócios, apesar de ter descido um lugar no 'ranking'.

Na melhor posição entre os lusófonos está Portugal (com 77,4 pontos), um dos três países da CPLP que viram melhorar o seu desempenho, embora desça duas posições no ranking, para 25.º. Cabo Verde encontra-se no lugar 129, Moçambique no 137.º lugar, o Brasil em 123.º, Timor-Leste em 175.º e a Guiné-Equatorial em 163.º.


Os autores do relatório escrevem que as reformas em Portugal resultaram numa redução do tempo e do custo da formalização de uma empresa, aumentando o número de start-ups em 17% e a criação de sete novos empregos por 100 mil habitantes por mês.


Apesar de estas start-ups serem mais pequenas e mais frequentemente criadas por mulheres do que antes das reformas, eram também lideradas por empreendedores com menos experiência e menos qualificações.


São Tomé e Príncipe (162.º) e Guiné-Bissau (172.º) foram as duas outras economias lusófonas que viram melhorar a sua classificação no ranking "Doing Business".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Nasci nessa merda de país Há 1 semana

Mas faço questão de morrer sem lá voltar. Corruptos, ladrões, tudo esterco.

Anónimo Há 1 semana

Portugal passou de 24º para 25º, porque o ranking do ano passado foi revisto após revisão de metodologia. Ver página do Doing Business em português.

Gatunos Há 1 semana

O BES e muitos outras empresas Tugas derreteram a massa em Angola, depois FO;DERAM-SE, agora apresentaram a conta ao Zé povinho Tuga para o povinho pagar as bancarrotas e gestões criminosas, os Tugas são um povo imbecil e otario que adora votar em gatunos e como tal adora ser roubado e en,rabado.

Anónimo Há 1 semana

vocês gostam de assuntoooooo hi hihi

pub