Angola Angola limita trabalhadores estrangeiros e só paga em kwanzas

Angola limita trabalhadores estrangeiros e só paga em kwanzas

José Eduardo dos Santos assinou um decreto presidencial que estabelece novas regras para a contratação de expatriados e a forma de pagamento dos seus salários.
Angola limita trabalhadores estrangeiros e só paga em kwanzas
Celso Filipe 13 de março de 2017 às 10:02
As empresas angolanas só vão poder contratar trabalhadores estrangeiros por três anos e durante esse período o pagamento do ordenado terá de ser feito integralmente em kwanzas. As novas regras estão expressas num decreto presidencial assinado a 6 de Março por José Eduardo dos Santos e noticiado esta segunda-feira, 13 de Março pelo Jornal de Angola.

No decreto, estas medidas são justificadas com uma forma de "permitir um tratamento mais equilibrado" entre os trabalhadores estrangeiros e os nacionais e estipula-se que as empresas só poderão contratar "até 30% da mão-de- obra estrangeira não residente".

Em Angola trabalham cerca de 200 mil expatriados portugueses que nos últimos três anos, à semelhança do que acontece com outros estrangeiros, têm enfrentado dificuldades na transferência dos seus salários devido à escassez de divisas que existe no país. Uma situação gerada pela crise económica e financeira que Angola atravessa, em grande parte derivada da queda do preço do petróleo.

O decreto presidencial fixa também que "a remuneração é paga em kwanzas", não devendo os complementos e demais prestações pagas directa ou indirectamente em dinheiro ou espécie, ser superior a 50% sobre o salário base" assim como uma nova modalidade de transferência de divisas. 

A partir de agora, de acordo com o Jornal de Angola, o Banco Nacional de Angola terá a seu cargo a missão de definir os montantes e tectos máximos de transferência de salários para o exterior.



A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 16.03.2017

Tapam o sol com uma peneira, e a mentira continua a fazer parte das autoridades angolanas para com os angolanos. Como fará a Zahara e o Candando para continuarem a ter trabalhadores portugueses? Estes trabalhadores serão contratados em divisa por empresas congéneres em Lx e depois pagos em Kz em AO.

Anónimo 16.03.2017

As autoridades angolanas continuam a não entender que a imigração do traz benefícios para Angola. O problema continua a não ser tratado como deve. A fuga de capitais não é feita pelos estrangeiros. A fuga de capitais é protagonizada pelos próprios angolanos que podem ser vistos no Sheraton de Lx.

Aleixo 14.03.2017

"Eu já decidi que não quero mais ficar aqui
"Foi bom (bom) enquanto durou
Mas hoje acabou tudo passou"

- Vamos ter de ir dançar o Kizomba para outro lado.

Anónimo 14.03.2017

Medida disparatada. Qual é o estrangeiro que fica (ou vai para) Angola com o ordenado a ser pago em Kwanzaa que não valem nada cá fora? Se os que lá estão se vêm embora, metade (ou mais) das empresas Angolanas fecham. E depois onde fica a D. Isabel e os seus generais?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub