Angola Angola volta a desvalorizar kwanza em mais 10%

Angola volta a desvalorizar kwanza em mais 10%

A desvalorização da moeda angolana pode abrir caminho para um pedido de assistência financeira ao FMI.
Angola volta a desvalorizar kwanza em mais 10%
Lusa
Nuno Carregueiro 16 de janeiro de 2018 às 16:29

O Banco Nacional de Angola (BNA) efectuou esta terça-feira, 16 de Janeiro, o segundo leilão de divisas do ano, que resultou numa nova desvalorização percentual de dois dígitos do kwanza.

 

De acordo com um comunicado do banco central do país, foram vendidos 82,6 milhões de euros junto de 27 bancos.
 

A taxa média ponderada de venda foi de 248,77 kwanzas por euro, o que de acordo com a Bloomberg corresponde a uma desvalorização de 11% face à taxa de câmbio fixada no leilão realizado na semana passada. No caso do dólar, a taxa de câmbio ficou nos 203,61 kwanzas por dólar, o que equivale a uma desvalorização de 10%.

A aquisição ao exterior de matéria-prima, peças, acessórios e equipamento fabril ficou com 60% das divisas colocadas no leilão de hoje, seguindo-se os sectores da agricultura, agropecuária, pescas e mar (19%), seguros, telecomunicações, transportes e outros serviços (15%), a aquisição de artigos de higiene, limpeza, material escolar e de escritório (3%) e de vestuário, calçado, artigos e utensílios domésticos (3%).

 

Segundo a Lusa, para aquisição de bens alimentares, medicamentos e operações privadas, o BNA refere que mantém o mecanismo de vendas directas, via bancos comerciais, fora deste sistema de leilão de preço para aquisição de divisas. 

 

O banco central angolano determinou o fim da ligação ao dólar, que estava em vigor desde 2016, permitindo ao kwanza negociar livremente, sem ser estabelecido qualquer valor de câmbio. Apesar de deixar o kwanza flutuar, o BNA impõe um intervalo de modo que a queda da moeda não provoque um disparo na inflação, que está já nos 28%. 

No primeiro leilão do ano, realizado na semana passada, a moeda angolana tinha desvalorizado 11% para 187,95 kwanzas por dólar e 10% para 221,75 kwanzas por euro.

 

Os economistas contactados pela Bloomberg contavam com uma queda mais acentuada da moeda do país neste leilão da semana passada, para níveis que permitam acabar com a falta de dólares no mercado e impulsionar a fragilizada economia angolana. No mercado negro, nas ruas de Luanda, um dólar estava a ser trocado entre os 440 e os 445 kwanzas.

 

Numa análise publicada hoje, antes do leilão do BNA, a Bloomberg Intelligence escrevia que a desvalorização do kwanza é um movimento que antecede o pedido de assistência financeira ao FMI, embora considere que sejam necessários mais ajustamentos na taxa de câmbio para reduzir as necessidades de financiamento externo.

 

Além disso, perspectiva também mais medidas de austeridade para reduzir o défice orçamental para perto de 3% de modo a solicitar assistência financeira do FMI e outros parceiros.  




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
A culpa e dos tugas 17.01.2018

Mas o Grande problema para este pintas do Lourenco, e o Julgamento do Corrupto e ladrao do Vicente, porque e do mesmo Gang. Com 40 anos da dinaistia Santos todos a roubar a tripaforra, e ainda nao enchergam que o problema deles sao os roubos que fazem com as cumplicidades dos Colonos tugas.

Nem sequer pode solicitar FMI 16.01.2018

Nem sequer pode solicitar assistência do FMI e vem mandar bocas aos portugueses . . . o melhor era solicitar assistência à China e à Rússia que tão bem os ajudaram na guerra . . . ( já alguém chegou a uma conclusão de qual é a dívida de guerra à Rússia e à China ?) ou esse já não emprestam mais ?

Nonagésimo 16.01.2018

Este quadrado na Africa nao tarda a dar falencia

Anónimo 16.01.2018

Prezado jornalista, vá rever os seus conhecimentos em matemática e aprenda a fazer as contas. não induza em erro os leitores.

pub